Permanência de Eduardo Baptista divide cúpula do Fluminense

Peter prefere técnicos baratos, mas não tem mais a mesma confiança em Eduardo (Foto: Nelson Perez - FFC)

Peter prefere técnicos baratos, mas não tem mais a mesma confiança em Eduardo (Foto: Nelson Perez – FFC)

Os maus resultados já ameaçam a sequência de Eduardo Baptista como técnico do Fluminense. Aliás, sua situação já divide opiniões na cúpula do clube. Vice-presidente de futebol, Mário Bittencourt é favorável ao seguimento do trabalho. Assim como o grupo, fechado com o treinador. Já o presidente Peter Siemsen não tem a mesma convicção se manter o comandante é a decisão certa.

Na apresentação de Eduardo Baptista, ainda no ano passado, Peter falou em trabalho “a longo prazo”. Técnicos baratos são uma filosofia do presidente. Foi assim quando apostou em Cristóvão Borges, Ricardo Drubscky e, finalmente, com o próprio Eduardo.

Osvaldo não aproveita chances na pré-temporada e volta a perder espaço

Osvaldo foi titular na Florida Cup (Foto: Nelson Perez - FFC)

Osvaldo foi titular na Florida Cup (Foto: Nelson Perez – FFC)

Titular no início de trabalho do Fluminense na pré-temporada e da Florida Cup, Osvaldo, contratado no meio do ano passado com grandes expectativas em seu futebol, não conseguiu render o esperado e voltou a perder espaço na equipe. Nas quatro partidas do ano, o atacante só foi aproveitado em duas e ainda assim saindo do banco. Ficou em campo apenas 37 minutos.

Para se ter uma ideia, Magno Alves, antes com menos espaço, tem recebido mais chances que Osvaldo. No último jogo, por exemplo, o veterano atacante entrou ainda no primeiro tempo enquanto o outrora grande reforço não saiu do banco.

Atualmente, Osvaldo também está atrás de Danielzinho e Marcos Junior na preferência de Eduardo Baptista.

Má fase do Fluminense dura quase seis meses

Começo ruim do Fluminense neste ano não é novidade nos últimos meses (Foto: Nelson Perez - FFC)

Começo ruim do Fluminense neste ano não é novidade nos últimos meses (Foto: Nelson Perez – FFC)

Se o Fluminense começou mal o ano de 2016, isso não chega a ser uma novidade recente para o time. O momento ruim já dura quase seis meses. Afinal, neste período, venceu apenas sete dos 30 jogos que disputou. Dos pontos disputados, o aproveitamento foi de 30%.

A última “sequência boa” do Fluminense foi em setembro do ano passado, quando ficou seis partidas invicto (cinco vitórias e um empate), ainda sob o comando de Enderson Moreira, no Brasileiro e brigava pela liderança. Depois, a derrocada começou.

Na disputa da Copa do Brasil, a exceção aconteceu. O time fez jogos equilibrados contra adversários de qualidade, eliminando o Grêmio nas quartas de final e caindo para o Palmeiras nos pênaltis na semifinal.

Veja os números da fase ruim do Fluminense!

Arte: Globoesporte.com

Arte: Globoesporte.com

Henrique culpa desatenção por gols bobos e divide responsabilidades

(Foto: Nelson Perez - FFC)

Henrique cita erros como aprendizado para não se repetirem nos próximos jogos (Foto: Nelson Perez – FFC)

Se o Fluminense levou seis gols de times pequenos em três jogos no Campeonato Carioca, Henrique vê a desatenção da equipe nas partidas como a razão para o péssimo aproveitamento. Por outro lado, o zagueiro faz questão de lembrar que não é só a defesa a responsável pelas falhas. O beque divide as responsabilidades entre todo o time.

– Desatenção… claro que sobra sempre lá atrás. Temos de estar concentrados até o fim. Isso faz diferença. Não só o setor defensivo, os outros também ajudam. Claro que a gente ali atrás fica mais visado, mas é começo de temporada. Foi um aprendizado para a gente, para que não aconteça nos próximos jogos – disse.

Defesa tricolor tem seu pior início de temporada em 11 anos

Henrique chegou para resolver, mas não joga sozinho (Foto: Mailson Santana - FFC)

Henrique chegou para resolver, mas não joga sozinho (Foto: Mailson Santana – FFC)

Problema recorrente, a defesa do Fluminense começou 2016 como terminou 2015: mal, sofrendo gols bobos e, claro, alvo de desconfiança e críticas da torcida. Para se ter uma ideia, o começo de temporada é, em números, o pior do setor de trás dos últimos 11 anos.

Em quatro jogos (três pelo Carioca e um pela Primeira Liga) – na conta não entrou a Florida Cup -, o Fluminense levou sete gols, pior desempenho desde 2005 da zaga.

Nem mesmo as contratações de reforços para o setor, por enquanto, foram capazes de resolver o recorrente problema. Henrique chegou com status elevado por ser zagueiro de seleção em Copa do Mundo, mas ainda precisa de melhor adaptação ao futebol brasileiro após dois anos na Itália, onde defendia o Napoli. Renato Chaves estreou contra o Bonsucesso e teve bom desempenho, mas se lesionou logo depois.

Emprestado ao América-MG, Artur se consultou com Fred

Artur ficará um ano no América-MG (Foto: Divulgação)

Artur ficará um ano no América-MG (Foto: Divulgação)

Emprestado pelo Fluminense por um ano ao América-MG numa composição para a compra de Richarlison, Artur foi apresentado nesta sexta-feira em sua nova casa. Antes de ir para lá, consultou-se com Fred, que iniciou a carreira no Coelho. O zagueiro afirma ter ouvido do atacante tricolor boas referências do clube mineiro.

– O Fred sempre fala muito bem do América, também conversei com o próprio Jonas (lateral-direito contratado pelo América-MG junto ao Criciúma), que veio antes de mim. Sabemos da estrutura daqui. O América é conhecido por ser um clube leal, que cumpre com os seus compromissos de pagamento – disse.

Mesmo só com derrotas, técnico do Tigres ainda fala em classificação

Marcelo Cabo diz que vitória do Tigres está amadurecendo (Foto: Anderson Lima - FutRio)

Marcelo Cabo diz que vitória do Tigres está amadurecendo (Foto: Anderson Lima – FutRio)

Próximo adversário do Fluminense no Campeonato Carioca, o Tigres só perdeu até aqui. No entanto, o técnico Marcelo Cabo ainda consegue ser otimista em relação ao futuro de sua equipe na competição. Tanto que o treinador fala em classificação para a segunda fase do Estadual.

– Entendemos que estamos no caminho certo e, mesmo sem termos vencido ainda, o momento é de passar tranquilidade para os atletas. Acho que a vitória vem amadurecendo e esperamos que ela aconteça o mais rápido possível. Temos feito bons jogos, mas os resultados não estão acontecendo. Vamos corrigir o que não vem dando certo para que possamos vencer, pois ainda acreditamos na classificação. Enquanto tivermos chances matemáticas, vamos atrás da vaga. É lógico que ficou mais difícil, mas não vamos desistir – afirmou.

Henrique afirma entender a cobrança da torcida

Henrique diz que time tem de se cobrar mais (Foto: Nelson Perez - FFC)

Henrique diz que time tem de se cobrar mais (Foto: Nelson Perez – FFC)

Reforço do Fluminense para esta temporada, Henrique afirma entender a cobrança da torcida em virtude dos maus resultados do time neste início de ano. O zagueiro lembra do elenco forte montado, o que aumenta a expectativa por vitórias.

– Temos um grande elenco, a cobrança da torcida é normal. Eles sabem a qualidade do nosso grupo. Temos de nos cobrar mais em campo, nos treinamentos e jogos. Temos de entrosar o quanto antes – disse.

Próximo adversário do Fluminense perdeu todas no Carioca

Fluminense e Tigres se enfrentam no domingo

Fluminense e Tigres se enfrentam no domingo

Se o Fluminense não vive bom momento, o próximo adversário no Campeonato Carioca tem tudo para ser o ideal. Afinal, em três partidas na competição, o Tigres só perdeu.

Com três derrotas, o Tigres é o lanterna do Grupo B ao lado do Bonsucesso, apenas na frente pelo saldo de gols (tem menos quatro enquanto o Bonsuça menos oito).

Fluminense e Tigres se enfrentam no próximo domingo, às 19h30, no Raulino de Oliveira.

Henrique exime técnico e culpa time pelo mau momento

Henrique (Foto: Mailson Santana -FFC)

Henrique defende Eduardo Baptista (Foto: Mailson Santana -FFC)

Os maus resultados do Fluminense nesta temporada podem custar o emprego de Eduardo Baptista. No grupo, pelo menos, o técnico é defendido. Experiente, o recém-chegado Henrique assume, junto ao time, a responsabilidade pelo momento ruim. Na visão do zagueiro, os jogadores são os culpados pelos resultados.

– As coisas que vêm acontecendo no campo são culpa nossa, dos jogadores – disse.