(Foto: Lucas Merçon - FFC)

O Fluminense superou o Santos por 1 a 0, quinta-feira, no Maracanã. Mas a partida foi para lá de complicada. Nada que surpreendesse o técnico Roger Machado. O treinador destacou a dificuldade que sempre é encarar equipes comandadas por Fernando Diniz.

Roger lembra de já enfrentar Fernando Diniz há dez anos e sempre seus times têm a característica de querer comandar as partidas.

— É sempre muito difícil jogar contra os times do Fernando Diniz. São times que têm uma rotação grande, trocam muito de posição, pesam o lado com o corredor lateral, tentando ter superioridade numérica, em especial do lado esquerdo no jogo de hoje. Foi precisa a ajuda do terceiro jogador de meio, do nosso tripé. Porque teríamos, na maioria das vezes, nossos dois volantes em corredor lateral para equilibrar esse número de jogadores. Às vezes não conseguimos fazer isso com agilidade e eles conseguiram chegar com um pouco de superioridade no corredor lateral – iniciou, prosseguindo:

— A forma como o Fernando organiza suas equipes, da mesma forma que ele está muito próximo da vitória, em função do desequilíbrio que ele gera quando chama o adversário para dentro do campo e depois quando rompe essa pressão e ataca-se a linha com a defesa ainda em transição, isso acaba gerando oportunidades mais claras, mais contundentes. E o risco de estar com a bola perto do seu gol também permite que o adversário, quando toma essa bola, esteja mais perto do alvo. Sabemos que o Fernando gosta de ter o controle da partida. Por vezes tentamos marcar alto, algumas vezes roubamos a bola, mas não fomos contundentes. Mas é o estilo do jogo que será sempre contra equipes do Fernando. Eu o enfrento faz dez anos e sempre foi muito difícil jogar contra equipes dele.