A carta aberta a Fred, escrita por Marcos Caetano no NETFLU foi repercutida em, praticamente, todo o país. Em entrevista coletiva, o atacante confessou que o texto do jornalista e empresário no site número 1 da torcida tricolor foi um dos que o deixou comovido e o ajudou na decisão de continuar no Fluminense. Entrevistado pelo portal Uol, Marcos explicou a iniciativa:

– Não podia ver o Fred sair pelas portas dos fundos sem fazer nada. Daqui a alguns anos se tiver 35 anos e tal, tudo bem ele sair. É outro caso. Tem tudo para fazer uma despedida tipo Rogerio Ceni. Quem sabe ganhar uma Libertadores ou mais um Brasileiro. Achei que seria um pecado sair por uma desavença dessas. Ele precisa ficar até o fim e se aposentar com direito a estátua. É tão difícil o clube ter um ídolo… Guerrero é ídolo do Flamengo? Pode vir a ser. Tinha o Rogério Ceni no São Paulo. Fred fez muito pelo Flu. É tão difícil ter um jogador que a torcida e apaixonada. Um cara simpático, fala com todos. O gesto dele de agradecer a minha carta mostra o caráter dele. Como todo jogador, é estrela, manhoso, tem suas exigências. Deve dar seus pitacos, mas ele conquistou isso. O Flu deu esse espaço a ele. Seria um pecado que o Fluminense por uma discussão, uma chegada enviesada do Levir, jogasse fora esse líder.

Marcos Caetano é jornalista, teve passagens pelos principais veículos de imprensa do país. Trabalha, atualmente,  para Brunswick Group, especialista em gerenciar crise, além de blogar semanalmente no NETFLU. Ele garante que não sabia da dimensão que a carta teria.


– Não tive a percepção que minha carta pesou. Meus filhos devem achar que foi. É bacana tentar agir, pois o torcedor vê as coisas e não pode fazer nada. Eu tentei. Foi uma das poucas vezes que tive a chance de interferir, por menor que tenha sido. Estou muito feliz de ter ajudado nessa história. É o sonho de todo torcedor participar da história do seu clube. Usei uma pouca dessa habilidade que tenho. O Fred faz gol e eu escrevo e lido com crise. Fiz isso em grandes empresas. A situação do Fred não era tão grave, mas algo tranquilo de resolver. Levir cometeu erro na chegada. Uma vez deflagrada a crise, ele (Levir) foi bem. Foi pra TV e disse que queria resolver. Se colocou à disposição – pontuou.