Abel crítica cultura de se demitir técnicos rapidamente

Abel crítica cultura de se demitir técnicos rapidamente

Abel Braga cita exemplos no futebol brasileiro em que técnicos foram mantidos e deram resultado (Foto: Photocamera)

Não é de hoje que a cultura no futebol é de se demitir técnicos tão logo os resultados de uma equipe sejam ruins. E Abel Braga considera isso um erro. Na visão do treinador do Fluminense, a continuidade do trabalho é o segredo para o sucesso e aponta vários exemplos no futebol brasileiro que sustentam a sua tese.

– Mudar por mudar, isso é para pagar impacto. Esse negócio de derrota tirar treinador, isso é para tirar a responsabilidade de dirigente que não organizou bem. Se você contrata o treinador, forma a equipe da maneira que o treinador pediu, daqui a pouco os resultados não vêm e você manda o treinador embora, você está passando o atestado de incompetência também para você, diretor, porque você não está confiando naquilo que você programou, que você criou como projeto. Às vezes leva um pouquinho de tempo. O Grêmio contratou, tem uma direção muito boa, tem um estádio lindo, tem um ótimo treinador, e esse time vai encaixar. Não deu na Libertadores, mas de repente vai ganhar o Brasileiro, ou vai disputar novamente a Libertadores, vai estar muito mais forte no ano que vem. E, com certeza, ele pode ficar mais forte nesse momento se for com o mesmo treinador. Às vezes você muda e o negócio melhora, mas os clubes que andam bem no Brasil hoje estão mostrando que isso não se faz mudanças. O Muricy continuou no Santos e ganhou a Libertadores, o Tite continuou no Corinthians, ganhou Brasileiro, Mundial e Libertadores, o Cuca está fazendo um trabalho fantástico no Atlético-MG, o Vanderlei fez um trabalho bom no ano passado e continuou no Grêmio, o Dunga agora está no Inter e foi campeão gaúcho… Amanhã perde dois, três jogos e muda? O cara está lá há seis meses. A cada dia que passa, você consegue ter uma resposta maior daquilo que o seu jogador pode te dar. Hoje eu sei muito mais dos meus jogadores do que no ano passado. Isso é tempo, futebol não tem milagre. O Borussia, na Alemanha, vem há muito tempo com o mesmo time, mesmo treinador, contratações bem pontuais, e vê aonde chegou. Foi campeão alemão no ano passado, agora chegou na final da Champions League, o negócio por aí. Quando tem mudanças muito drásticas, normalmente não resolve – analisou.