Em virtude da paralisação de jogos e treinos e consequente perda de receitas, os clubes negociam em blocos medidas que possam conter os prejuízos de momentos junto aos jogadores. Neste contexto, há proposta de férias coletivas e redução dos salários dos atletas caso a pausa em virtude da pandemia de coronavírus se alongue por mais tempo. Mas como está o lado dos jogadores? Com a palavra Alfredo Sampaio, técnico da Cabofriense e presidente do Sindicato dos Atletas de Futebol do Rio de Janeiro (Saferj).

O treinador, em entrevista ao NETFLU, falou sobre a postura dos jogadores e a forma como estão tratando com as agremiações. O presidente do Fluminense, Mário Bittencourt, inclusive, é o porta-voz da Comissão Nacional de Clubes, mas as tratativas não estão sendo diretamente feitas por seu intermédio.,

— Não tem conversado diretamente, estamos todos discutindo medidas. O trâmite está sendo assim: desde a outra semana quando tivemos reunião na federação, eu já estive de fato reunido com ele e outros dirigentes e partir daí enviaram a proposta, recebemos e a partir de hoje vamos enviar outra resposta, a partir da segunda proposta dele. Naturalmente se definido sim ou não, vamos conversar para ver o que acontece, se estudamos outras possibilidades. O nosso contato agora é através de documentações. Tem um grupo no WhatsApp que foi criado pela federação e ali foi comentado as propostas, mas ali a gente não avalia as propostas. Eles decidem o que entendem, mandam pra gente e respondemos. A princípio, nosso contato é com os atletas apenas – disse.

Os clubes já enviaram uma proposta aos jogadores, mas Alfredo Sampaio ainda não fala em acerto. A resposta sai ainda nesta quarta.

— Não vou antecipar, porque vamos soltar uma nota às 17h para eles, então não posso fazer isso pela imprensa. Da mesma forma que falaram conosco direto, falaremos com eles diretamente – revelou.