torcida1No último final de semana, um grupo de torcedores do Fluminense entrou em conflito com outro grupo de fãs do esquadrão verde, branco e grená durante a partida contra o Santos, no Maracanã. A ação, gerou muitas críticas da própria torcida do Time de Guerreiros, ciente de que a última coisa necessária para ajudar do clube são as brigas nas arquibancadas.

Dentro deste contexto, o Movimento Popular Legião Tricolor lançou uma carta aberta aos torcedores repudiando os últimos acontecimentos.

Confira a carta na íntegra:

“Tricolores do céu e da Terra,

Custamos a crer que após tantos anos, esse tipo de episódio de falta de respeito entre tricolores pudesse voltar a ocorrer.

No caso do último jogo, episódio grave, que envolveu ameaças e princípio de agressão de tricolores contra tricolores.

Mais uma vez, estamos vendo diante de nós a vitória da visão destrutiva e pequena sobre o pensamento construtivo.
Depois de tantas conquistas. Depois de tantos anos.

Se conseguimos em conjunto mudar a cara da torcida e construir uma arquibancada diferente, estamos caminhando a passos largos para retroceder em tudo o que conquistamos.

No último sábado, episódios inadmissíveis de intolerância e violência mancharam a nossa arquibancada.

Sempre transigiremos com a divergência de ponto de vista, com a liberdade de expressão, com a crítica construtiva, com o diálogo.

Não transigimos com a violência e a intimidação.

Mesmo entre os iguais há divergências. É natural e é positivo. Acontece não só entre tricolores, mas também dentro de grupos de tricolores.

Não podemos acreditar que as cenas vistas no último sábado representem a orientação das lideranças das torcidas envolvidas, sobre o relacionamento delas com o movimento.

Em 2009, vimos na arquibancada uma união que, se não durou pra sempre, marcou pra sempre a torcida do Fluminense. Fomos fortes como nunca, e decisivos para que o time conseguisse operar o milagre que acabou operando, em seu último capítulo, na batalha do Couto Pereira. E que trouxe a reboque o Tricampeonato Brasileiro.

De lá pra cá, apesar das conquistas do time, a torcida, por fatores internos e externos, infelizmente não manteve o mesmo desempenho. E hoje agoniza novamente.

Dentre os internos, é possível dizer que as diferenças afastaram os iguais. O que é uma pena. Mas tem que ser respeitado. De parte a parte.

Ninguém que esteve presente de corpo e alma nesses episódios históricos da nossa torcida pode compactuar com a postura de se elevar a diferença ao ponto da intolerância e da perseguição. Seja de que grupo for.

Não é essa a conduta que marca a nossa torcida. Nunca foi.

E confiamos que não permanecerá não sendo. Confiamos e trabalharemos SEMPRE para isso. Na base do respeito, mas sem subserviência. Que assim continue, e que cada torcedor coloque a sua cabeça no lugar.

Talvez pela falsa ideia de que na internet “vale tudo”, as redes sociais se tornaram um campo fértil para comentários inconsequentes, irresponsáveis e beligerantes.

Recentemente, essa incitação irresponsável à intolerância e à violência tem ultrapassado as fronteiras do mundo virtual. Ocorreu em partida realizada pela equipe sub 17, nas Laranjeiras. E agora, com bem maior gravidade, na partida contra o Santos pelo campeonato brasileiro de 2013.

Envidaremos todos os esforços para que as autoridades competentes, e a quem cabe preservar a segurança dos torcedores, identifiquem e punam aqueles que pretendem agredir e ofender outros tricolores. E exortamos os líderes das torcidas do FFC a agir da mesma forma.

Respeito às diferenças pelo ideal de ajudar o FFC em campo. Seja por intermédio da crítica, seja do apoio.

É no que confiamos, e pelo que lutaremos.

ST!”