(Foto: Lucas Merçon/FFC)

Mesmo sem nunca ter vestido a camisa do Fluminense num jogo oficial, o goleiro De Amores volta à tona nas Laranjeiras. Adquirido por empréstimo de um ano ao Boston River (URU) por 200 mil dólares (cerca de R$ 1 milhão), o clube não pagou o que devia, conforme apuração do NETFLU. Agora é acionado diretamente na Fifa pelos uruguaios, correndo o risco de perder até seis pontos em competição nacional.

Procurado pela reportagem do site número um da torcida tricolor, o Fluminense preferiu não se manifestar a respeito do caso.

Contratado com muita expectativa no início de 2018, a passagem de Guillermo De Amores no Fluminense foi frustrante para ambas as partes. O goleiro chegou por empréstimo de um ano, mas colecionou lesões. Em fevereiro de 2018, sofreu um estiramento grau 1 na panturrilha direita. Em março, uma lesão muscular na mesma panturrilha direita. Em maio, torceu o joelho e lesionou o menisco, o que levou à realização da primeira cirurgia. Tudo no mesmo ano.

De Amores nunca gozou da confiança do técnico Abel Braga, que já deixava claro que não tinha intenção de usá-lo como titular quando ele foi adquirido. O próprio treinador admitiu que “não entendeu a contratação” e que “o Fluminense não está gastando pouco com ele”. O goleiro recebia cerca de R$ 110 mil, conforme apuração do NETFLU. Só em 2018, ele embolsou mais de R$ 1,2 milhão.

Vale lembrar que a chegada de De Amores ocorreu após a polêmica dispensa de oito jogadores no final de 2017, via Whatsapp, tendo como um dos principais argumentos o corte de gastos. Depois desse imbróglio, o torcedor do Fluminense fez campanha nas redes sociais. O objetivo dos fãs do Tricolor das Laranjeiras, desconfiados de Júlio César, era que a diretoria se mexesse para contratar o arqueiro De Amores, dono de boas atuações justamente contra o Flu, em duelos válidos pela Sul-Americana de 2017 pelo Liverpool (URU).

Diante deste cenário, o Tricolor demorou mais de dois anos para pagar uma parcela definida para 2017 nas contratações de Orejuela e Sornoza. A partir daí, o Indendiente Del Valle (EQU), ex-clube dos equatorianos, acionou a Fifa, venceu o processo e fez um acordo, ainda não cumprido, pela cúpula do Time de Guerreiros. O débito ultrapassa os R$ 17 milhões, parcelados.

É importante recordar que, em 2019, o Cruzeiro foi acionado na Fifa em diversas situações diferentes, mas com casos similares ao do Tricolor. O clube mineiro foi penalizado em algumas ações e perdeu seis pontos na Série B, que ainda não tem data para começar. Correu o risco de perder ainda mais, porém conseguiu um empréstimo e sanou parte da dívida.