MARCOS FELIPE – NOTA: 6,5
– Na única vez em que foi exigido de fato, salvou o Flu de levar o empate já nos acréscimos, cara a cara com o centroavante do Bangu

IGOR JULIÃO – NOTA: 5,5
– Decidiu mais uma vez, só que dessa vez dando assistência para Ganso marcar o gol da vitória. Porém, na marcação, ainda deixa muito a desejar. As melhores jogadas do Bangu nasceram de seu lado do campo

FRAZAN – NOTA: 3,0
– Quando a bola está em seus pés, a torcida já teme pelo pior. Impressionante como não há bola dominada, por mais tranquila que seja, que Frazan não possa complicar e “entregar o ouro”

MATHEUS FERRAZ – NOTA: 4,0
– Mais seguro que seu companheiro de zaga, mas também deu alguns moles, como no lance em que o Bangu quase empatou no finalzinho do jogo. Deixou o centroavante livre para dominar e quase marcar

DANILO BARCELLOS – NOTA: 4,5
– Foi um pouco melhor defensivamente do que Julião pelo outro lado. Na frente, no entanto, errou muitos passes e cruzamentos

WELLINGTON – NOTA: 2,5
– Não sei o que é mais inexplicável: ter sido contratado ou ter entrado como titular e sido mantido até o fim da partida. Errou tudo que tentou, até passes de dois metros

YURI – NOTA: 3,0
– Outro que é difícil conceber como titular da equipe. Jogou um pouco mais avançado, quase que como um armador do time, mas não tem qualidade para isso

MICHEL ARAÚJO – NOTA: 7,0
– Melhor jogador do Flu. Foi o que mais arriscou finalizações e levou perigo ao gol adversário. Se tivesse tido melhor sorte, poderia ter deixado o seu. Além disso, foi o mais ousado, arisco e agudo atleta tricolor no jogo

CAIO PAULISTA – NOTA: 3,0
– Depois da péssima partida no Fla-Flu do último domingo, como prêmio, foi mantido na equipe titular. Fez o de sempre: nada

GANSO – NOTA: 5,5
– Autor do gol que deu a vitória ao Flu. Apesar disso, na maior parte do jogo ficou “sumido” em campo. Embora já tenha dito que prefere atuar mais a frente, precisa entender que NÃO é atacante. Vai render muito mais pelo meio e vindo de trás

GABRIEL TEIXEIRA – NOTA: 6,0
– Junto com Michel Araújo, foi um dos atletas mais agudos do Flu. No entanto, precisa ter mais calma para decidir. Por três vezes entrou cara a cara com o goleiro e desperdiçou chances claras

(LUCCA) – NOTA: 5,0
– Entrou no lugar de Caio Paulista, mas não mudou o status da equipe. Nada fez com a bola nos pés

(SAMUEL) – NOTA: 4,5
– Sua entrada melhorou a equipe, que passou a jogar com uma referência dentro da área. Usou bem o corpo em algumas jogadas e participou bem no tempo em que esteve em campo

(KAYKY) – NOTA: 6,0
– Deu uma outra movimentação ao Flu na frente. Veloz e insinuante, agregou em qualidade ao ataque tricolor. Não pode ser reserva de Caio Paulista

(ANDRÉ) – SEM NOTA
– Jogou pouco mais de dez minutos e entrou para reforçar a marcação no meio

(MATHEUS MARTINS) – SEM NOTA
– Entrou também na reta final e não teve tempo de mostrar muito

ROGER MACHADO – NOTA: 2,0
– A escalação que entrou em campo foi uma piada. Achei que era uma pegadinha do Silvio Santos e que, a qualquer momento, Roger tiraria a máscara e se revelaria Ivo Holanda. Dois volantes de marcação contra o potente Bangu? É sério, professor? Wellington e Yuri foram os piores da equipe, o primeiro seguiu em campo até o fim e o segundo só foi sacado aos 34′ do 2º tempo e era praticamente o armador do time. Ganso de atacante, Caio Paulista titular, sem centroavante de ofício. A impressão que deu foi que o Roger pensou: “Qual a pior escalação possível que eu posso colocar em campo?” Se foi, parabéns. Missão cumprida. A vitória veio, mas não pode esconder as péssimas escolhas. Sim, é certo que está chegando agora e ainda está conhecendo as peças do elenco, mas o que se viu neste sábado não tem condições. Quase complicou um jogo que era extremamente fácil. Professor, da próxima: André, Ganso e Michel Araújo; John Kennedy (Kayky), Gabriel Teixeira e Samuel. Faça o simples e tenha bom senso. Não é difícil.