MURIEL – NOTA: 5,0
– Sem culpa no lance do gol do rival, não trabalhou muito. Apesar de ter dominado o jogo, o adversário acertou poucas bolas no alvo do goleiro tricolor.

GILBERTO – NOTA: 3,5
– “Esquentado”. Parecia tão pilhado com o jogo e com a decisão, que esqueceu-se de jogar e produziu muito pouco.

NINO – NOTA: 4,5
– Errou alguns passes na saída de bola, que não é de seu costume errar. Parecia mais nervoso que o normal, mas ainda foi o mais lúcido da linha de defesa.

MATHEUS FERRAZ – NOTA: 3,5
– Com atuações muito seguras no ano passado e no início dessa temporada, parece ter esquecido essa “segurança” em casa desde a volta da paralisação. Tem medo com a bola nos pés e chuta para onde o nariz está apontando.

EGÍDIO – NOTA: 3,0
– Mais uma partida fraca do lateral. Não que viesse fazendo grandes jogos antes da paralisação, mas depois que voltou, acumulou atuações sofríveis e dignas de pena.

HUDSON – NOTA: 4,0
– Muito lento, baixo aproveitamento nos passes e voltou a cometer faltas desnecessárias próximas da área. Outro que ainda não voltou ao seu melhor ritmo de antes da paralisação.

YAGO – NOTA: 4,0
– Outro que esteve abaixo da atuação que teve no último domingo. Se omitiu do jogo e não fez as melhores escolhas quando tinha a posse da bola em seus pés.

DODI – NOTA: 4,5
– Tentou buscar o jogo, como fez na segunda etapa da partida do último domingo, quando foi o melhor em campo pelo Flu. Hoje, porém, seu jogo não encaixou, muito em função da postura covarde e retrancada da equipe.

NENÊ – NOTA: 3,5
– Partida péssima do meia. Errou praticamente todas as cobranças de bola parada, jogando 90% delas nas mãos de Diego Alves. Apareceu bem em apenas um momento, em enfiada para Marcos Paulo, mas pouco para quem se espera que defina o jogo.

MARCOS PAULO – NOTA: 4,5
– Teve em seus pés talvez a melhor oportunidade do Flu em todo jogo, um contra-ataque no fim da primeira etapa em que deu um “peteleco” nas mãos de Diego Alves. Ficou devendo, mas, é bem verdade. foi mal escalado.

EVANILSON – NOTA: 5,5
– O que levou mais perigo a zaga do Flamengo em todo o jogo. As melhores chances do Flu nasceram com ele, primeiro um chute na rede pelo lado de fora, depois a assistência primorosa para Marcos Paulo perder cara a cara.

(MICHEL ARAUJO) – NOTA: 3,5
– Peca nas escolhas erradas e parece tímido para jogar. Compreensível pela idade e por ser um atleta estrangeiro no país, mas precisa acordar se quiser ser destaque na equipe.

(FERNANDO PACHECO) – NOTA: 3,5
– Parece que nem entrou em campo. Outro que precisa mostrar mais se quiser uma chance na equipe titular para a continuidade da temporada.

(GANSO) – NOTA: 3,0
– Entrou para tentar melhorar a qualidade do passe do Flu, mas ficou preso na marcação do meio e pouco produziu.

(CAIO PAULISTA) – NOTA: 3,0
– Nem mesmo seu jogo de força e intensidade foi capaz de dar uma fagulha de esperança ao torcedor tricolor. Pegou pouco na bola.

(FELIPPE CARDOSO) – SEM NOTA
– Entrou no final para tentar algo em uma bola aérea.

ODAIR HELLMANN – NOTA: 1,0
– Inadmissível a postura com a qual a equipe entrou em campo e permaneceu até os minutos finais. Após o grande segundo tempo no último domingo, onde o Flu conseguiu ser muito superior ao adversário, resolveu abdicar totalmente do jogo nesta quarta e adotou uma postura covarde e medrosa. Perder, faz parte do futebol. Agora, perder sem ao menos tentar, por omissão e falta de ousadia, é revoltante.