MURIEL – NOTA: 9,0
– O nome do título! Pegou duas penalidades e foi determinante para a conquista da Taça Rio. No tempo normal, também fez algumas defesas importantes que garantiram o resultado ao Tricolor

GILBERTO – NOTA: 7,5
– Autor do gol tricolor nos 90 minutos, subiu no terceiro andar para testar com firmeza. Defensivamente, foi seguro e ajudou a conter as subidas do ataque do rubro-negro, apesar de ter falhado no lance do gol rubro-negro, deixando Felipe Luis livre para cruzar

NINO – NOTA: 8,0
– Mais uma excelente partida do zagueiro, que já havia feito grande atuação contra o Bota. Tranquilo e eficiente, tirou todas as bolas por cima e por baixo. Titular incontestável dessa equipe

MATHEUS FERRAZ – NOTA: 6,5
– Um pouco inseguro e afobado em algumas bolas, principalmente em lances que poderia ter saído tocando, mas preferiu jogar para fora. Porém, foi importante nas jogadas aéreas do rival e tirou várias bolas.

EGÍDIO – NOTA: 5,0
– Dorminhoco. Perdeu algumas bolas pelo lado esquerdo e deixou a desejar na marcação. Na frente, apareceu algumas vezes e chegou a dar um bom cruzamento que quase terminou em gol de Yago, mas foi pouco

HUDSON – NOTA: 7,0
– Seguro. Fechou bem os espaços pelo meio-campo e não deixou os atletas de frente do Rubro-Negro se criarem próximo da grande área de Muriel. Nas cobranças de pênalti, bateu firme e não decepcionou

YAGO – NOTA: 5,5
– Teve uma boa chance de marcar, finalizando da entrada da área, de frente para o gol, mas chutando torto. No geral, precisa aparecer mais na frente como elemento surpresa e se apresentar mais para o jogo

DODI – NOTA: 5,0
– Não teve uma má atuação no tempo normal, embora tenha sido um tanto quanto omisso. Nas penalidades, bateu muito mal para a defesa fácil de Diego Alves

NENÊ – NOTA: 6,5
– Ainda não é o Nenê de antes da paralisação pela pandemia, mas levou perigo em algumas bolas paradas e converteu sua cobrança de pênalti com categoria. Parece estar aos poucos voltando ao ritmo ideal que o fez ser destaque no começo do ano

MARCOS PAULO – NOTA: 6,5
– Não se escondeu do jogo e buscou as jogadas verticais sempre que teve a bola nos pés, apesar de não ter tido uma noite tão inspirada

EVANILSON – NOTA: 6,0
– Teve um papel importante na movimentação e prendendo a bola na frente no meio dos zagueiros rubro-negros, mas foi substituído no intervalo após sentir incômodo

(FERNANDO PACHECO) – NOTA: 7,0
– Deu mais dinâmica e velocidade pelo lado do campo do ataque tricolor e chegou a dar uma boa assistência para Marcos Paulo, que desperdiçou. Nos pênaltis, bateu com raiva e guardou.

(YURI) – NOTA: 5,5
– Entrou para reforçar o sistema defensivo e ajudar a marcar as tabelas dos atletas adversários na frente da área, cumprindo bem seu papel na maior parte das jogadas.

(CAIO PAULISTA) – NOTA: 5,0
– Apareceu apenas em um chute de longa distância, onde isolou a bola por cima do gol. Claramente precisa trabalhar melhor a sua afobação e escolhas quando têm a bola nos pés.

(MICHEL ARAUJO) – NOTA: 4,5
– Apagado em campo, ainda desperdiçou a sua cobrança de pênalti, batendo a meia altura e facilitando para Diego Alves. A bola ainda pegou no travessão e quicou em cima da linha. Outro que precisa de mais tempo para evoluir.

ODAIR HELLMANN – NOTA: 7,0
– Apesar de algumas alterações discutíveis, como a entrada de Yuri no lugar de Yago, que recuou mais o time e chamou o Fla para o seu campo, tem seus méritos no esquema montado. Defensivamente, o Tricolor fez ótima partida e anulou a maior parte das investidas ofensivas do rival e acabou tomando o gol no terço final por cansaço.