(Foto: Lucas Merçon - FFC)

Vendidos para o Grupo City, os jovens Kayky e Metinho, crias das categorias de base do Fluminense em Xerém, foram pouco aproveitados nos profissionais. O primeiro ainda foi mais, atuando por 32 jogos. Já o segundo, só jogou um jogo como profissional. Em entrevista coletiva nesta sexta, o presidente tricolor, Mário Bittencourt, discorreu sobre a negociação da dupla e exaltou a parceria com o conglomerado.

– A relação é muito boa. O Fluminense não tinha uma relação boa com o Grupo City, por uma questão que houve no passado aqui, há cinco, seis anos, onde o Fluminense tinha uma situação encaminhada com eles e acabou não cumprindo o que combinou. Era uma relação que precisava ser reconstruída, ela foi reconstruída conosco e a gente fez a venda dos dois atletas e, realmente, a ideia inicial, o que estava estabelecido no contrato, era de que eles pudessem ficar mais um tempo aqui. O Fluminense manteve o percentual dos atletas e os bônus que o Fluminense tem são das performances desses atletas quando estiverem jogando em seus respectivos clubes, no Troyes (FRA) e Manchester City (ING), disse ele, acrescentando:

– Fazer uma parceria, é entender que o desempenho esportivo deles, precisa estar em desenvolvimento, os atletas precisam estar em desenvolvimento. O Kayky começou o ano jogando, inclusive como titular no Campeonato Carioca e houve uma baixa natural pela idade, até porque o nível de competitividade do Campeonato Brasileiro, Libertadores e Copa do Brasil  é diferente do campeonato estadual. E aqui, sempre digo isso, soberano é o campo. Tanto para escalá-lo, a decisão era da comissão técnia, quanto no momento de tirá-lo. O Metinho é um caso um pouco mais complicado, porque na posição que jogava tinha o Martinelli, tinha o André, tinha outros jogadores da casa na frente e ele dificilmente seria aproveitado esse ano – finalizou.

NETFLU, com Leandro Dias e Rafael Siri,fez um react da coletiva do presidente que você pode conferir aqui ou através do link abaixo: