Nino acredita ser alguém visto como capaz de manter o equilíbrio independentemente da situação (Foto: Lucas Merçon - FFC)

Fred é o capitão do Fluminense, mas, quando não joga, quem fica com a braçadeira é Nino. O zagueiro credita tal escolha à identificação criada com o clube. Ele também reconhece o peso de ser o substituto do artilheiro na função.

– Acho que pela identificação que tenho com o clube, o carinho que recebo de todos os funcionários, e também por conhecer muito. Em 2019 já passei por um momento muito difícil, em 2020 um momento muito bom no Campeonato Brasileiro, e acho que as pessoas enxergam em mim alguém que vai tentar manter o equilíbrio, independentemente do que acontecer dentro de campo. E substituir o Fred nessa função é uma responsabilidade muito grande, mas também um prazer. Na minha opinião, é o maior jogador da história do clube, e conviver com ele e representá-lo quando não está em campo é um orgulho muito grande – disse.

Na vitória de 2 a 1 sobre a Chapecoense, na última terça-feira, Nino foi o capitão tricolor com Fred poupado. Já frente ao São Paulo, domingo, no Maracanã, o atacante deverá estar de volta à equipe.