(Foto: Daniel Perpetuo - FFC)

Em entrevista ao “Panorama Tricolor”, o vice-geral do Fluminense, Celso Barros, voltou a comentar sobre sua relação com o presidente Mário Bittencourt após o seu afastamento do departamento de futebol do clube. O dirigente tornou a detonar a postura do mandatário, a qual considerou “molecagem e falta de caráter”.

Celso ainda revelou uma mensagem recebida por ele de Mário, quando o mesmo entrou de licença após contrair COVID, com ameaças. Segundo o dirigente, que não entrou em detalhes sobre o conteúdo da mensagem, a atitude foi “lamentável e covarde”.

– O que ele (Mário) fez comigo é uma questão de molecagem, de caráter, uma atitude realmente absurda com um companheiro político dele, que tratou todas as situações como homem. Na época dos compromisso ele rompeu, como rompeu com o Tenório, comigo e vai romper com quem não for subserviente a ele. As pessoas têm medo até de falar algo do Fluminense, porque sabem que ele é uma pessoa que tem raiva, ódio. Os “amiguinhos” dele são todos bons, mas em relação àqueles que atrapalham o caminho dele ele trabalha dessa forma. Quando ele entrou de licença, ele me mandou uma mensagem lamentável, covarde, com ameaças e tal. Eu falei: “Olha, se você quiser eu divulgo sua mensagem e a minha resposta”. Ele ficou quieto e não falou mais nada – disse Celso.