Foto: Divulgação/Maracanã

Em entrevista ao portal Lancenet, o CEO do Maracanã, Severiano Braga, confirmando o que foi antecipado pelo NETFLU, explicou o motivo de o estádio não estar disponível para o confronto do Fluminense com o Olímpia (PAR), pela Libertadores, que acontece nesta quarta-feira, no Engenhão. O dirigente ainda esclareceu que o Tricolor não chegou a pedir a liberação para atuar no Maraca.

– São duas coisas. Um: o Fluminense não pediu liberação para cá. Dois: o gramado, depois de colocada a fibra, temos de 12 a 15 dias para ficar em ponto de jogo. Coincidentemente, dará os 12 dias (no sábado, data de Flamengo e Bangu). Fizemos os testes na sexta, no sábado, pois o gramado tem sua evolução. Começamos a fibra de um lado e viemos trazendo. Então, fomos acompanhando a evolução do gramado – explicou ele, acrescentando:

– Tínhamos uma máquina de 8 toneladas passeando no gramado 24h. Fomos entendendo o processo e chegamos aos 12 a 15 dias, mas fizemos os testes. Sempre falamos da semifinal (do Carioca para a reabertura do estádio), mas pode-se fazer uma correlação com o jogador. Quando está no departamento médico, nem é informado a data de volta, mas também não coloca antes da hora. Se está pronto para entrar, vai entrar. Foi o que fizemos. Medimos direitinho, demos de 12 a 15 dias, e estará pronto para os jogos – completou.