(Foto: Vitor Silva/Botafogo)

O Fluminense já tem um acerto com o atacante Matheus Babi e o clube que detém os direitos econômicos do jogador, o Serra Macaense. No entanto, a negociação não é tão simples assim, e ainda depende de um acerto do Tricolor com o Botafogo, clube pelo qual o atleta atua emprestado. O alvinegro carioca quer receber uma compensação financeira para liberar o jogador, já que possui 40% de taxa de vitrine de Babi.

Em matéria do jornal “O Dia”, foram explicados os motivos pelos quais Matheus Babi e seu estafe preferiram a proposta do Fluminense em detrimento à oferta do Athletico-PR. Primeiramente, o contrato mais longo oferecido. O vínculo de Babi com o Tricolor, caso o atacante realmente assine, será de quatro temporadas, com o atleta tendo um aumento salarial “considerável”. O jogador recebe apenas R$ 50 mil mensais no Botafogo.

Fora isso, o “fator Fred” também pesa. No entendimento do estafe do jogador e do Serra Macaense, o projeto apresentado pelo Fluminense seria mais benéfico ao atacante, principalmente no ponto de vista do aprendizado. O experiente centroavante e ídolo da torcida tricolor, pode ser uma peça fundamental na evolução do jogador nas Laranjeiras, fazendo-o amadurecer ainda mais.