(Foto: Lucas Merçon - FFC)

Aos poucos, o Fluminense vai organizando a numeração de seus atletas para a próxima temporada. Com a saída do meia Cazares, por exemplo, o atacante Luiz Henrique herdou a camisa 11. Quem também deixou o clube foi o atacante Lucca, vagando a camisa 7, agora ocupada pelo volante André. Mario Pineida também assumiu a 6, deixada pelo lateral-esquerdo Egídio.

Nessa “dança dos números”, saídas e permanências começam a ser indicadas. Um exemplo disso é Danilo Barcelos, ex-camisa 14 e que agora consta no site oficial sem numeração. O centroavante Germán Cano é o novo dono do número, mesmo que utilizava no rival Vasco da Gama. Isso indica que o lateral-esquerdo, que não faz parte dos planos, não deve mesmo permanecer em 2022.

Por outro lado, a troca de número de André também pode indicar que o volante Wellington não deve deixar o Tricolor. O atleta, que atua na mesma posição de André, veste a camisa 5. O fato da cria de Xerém ter assumido a 7 pode indicar que a 5 não deve ficar vaga, o que quer dizer que Wellington tende a seguir no clube. Felipe Melo, também da posição, veste a camisa 52.