O NETFLU divulgou em primeira mão que dos R$ 160 milhões que o clube precisará para fechar 2018, R$ 50 milhões precisam ser levantados até abril. O site “Globo Esporte” revelou a destinação do dinheiro: impostos em atraso, comissões devidas a empresários e parte das rescisões a sete jogadores do grupo de liberados ao final do ano passado – apenas o zagueiro Henrique ainda não chegou a acordo.

O parcelamento feito aos atletas tem o maior valor a ser pago no próximo mês e totaliza R$ 15 milhões só em 2018 – apenas com Diego Cavalieri, Henrique e Marquinho o gasto anual era de R$ 18 milhões, por exemplo. A partir de maio, o custo das parcelas reduz consideravelmente. Existe a possibilidade de novas renegociações serem feitas ou a possibilidade de receitas extras, como a venda de jogadores, para resolver a situação.

Como resolver a curto prazo? O Fluminense pegará um empréstimo com investidores, com os direitos de transmissão como garantia. Haverá a cobrança de juros. Esta negociação, feita desde o ano passado, está avançada, com chance de ser assinada nos próximos dias.