Em 2013, Igor Julião e Digão foram os jogadores que mais se queimaram com a torcida no “rebaixamento” no Brasileirão. Enquanto o primeiro havia sido promovido das categorias de base um ano antes e foi colocado na fogueira na lateral-direita, o segundo sofreu com atuações irregulares e uma falha em um jogo com o Atlético-MG, no Maracanã, que deixou a situação do Fluminense praticamente irreversível na competição.

Mas o mundo dá voltas. Naquele mesmo ano, o Fluminense acabou “salvo” pela escalação irregular de um atleta da Portuguesa, e permaneceu na Série A. Cinco anos depois, ambos retornaram ao clube, Julião do Flu Samorin, filial tricolor na Eslováquia, e Digão do Cruzeiro, após passagens pelo mundo árabe, para se firmarem no clube.

Com as possíveis saídas de Gilberto e Léo, Igor Julião deve permanecer no clube para 2019 e deverá ter mais oportunidades com o manto verde, branco e grená. Já a situação de Digão é mais complicada. Emprestado pelo Cruzeiro, o atleta dificilmente seguirá no clube, já que não é interessante para o clube mineiro renovar o empréstimo com o Fluminense.