(Foto: Marcelo Gonçalves - FFC)

O empate em 0 a 0 com o Unión Santa Fe na Argentina dificultou os planos do Fluminense para a última rodada da fase de grupos da Copa Sul-Americana. Para se classificar para as oitavas de final, o Tricolor precisa torcer por um empate dos argentinos com o Junior Barranquilla na Colômbia, além de ter que vencer o Oriente Petrolero na Bolívia por seis gols de diferença.

Fernando Diniz considerou o resultado justo e disse que faltou profundidade para sua equipe. Após a partida, questionado na coletiva de imprensa sobre a virtual eliminação de quem era considerado favorito na chave antes de começar a fase de grupos, o técnico, que assumiu o Fluminense no meio da competição, lamentou a situação e comparou com a Copa Libertadores, que é o principal torneio da América do Sul. Apesar de reconhecer a situação complicada, ele se recusou a jogar a toalha:

– Futebol é assim, é uma coisa que acontece. O jogo que mais fez falta foi o empate em casa contra o Unión, e também o saldo lá de 3 a 0 contra o Barranquilla. São coisas que acontecem no futebol. A gente veio como candidato a ser primeiro, mas é um grupo muito forte, tem três equipes brigando pela classificação. Esse grupo da Sul-Americana é muito mais forte que muitos da Libertadores. Éramos candidatos, mas tinha adversários fortes. Tínhamos que ter pontuado o máximo em casa para poder seguir e ter mais chances de classificação. Mas ainda temos e vamos acreditar até o final.