Foto: Nelson Perez/FFC

O centro de treinamento Pedro Antonio Ribeiro da Silva é motivo de orgulho dos tricolores. Em operação, com campos prontos e tomado pela beleza do lugar, o CT, porém, ainda é um local inseguro. Em sete meses, já houve um assalto, funcionários feito de reféns e torturados e tiros nas proximidades assustaram jornalistas. Por esta razão, o clube, através de seus dirigentes, procuraram a Polícia Militar e solicitaram um patrulhamento mais ostensivo nas imediações.

A conversa entre dirigentes e oficiais ocorreu após o tiroteio de sexta-feira, último incidente registrado.  Com incursões e patrulhamento diário tanto dentro do terreno quanto nas redondezas, a PM virou parceira.

– O Fluminense segue tomando todas providências necessárias para garantir a maior segurança no Centro de Treinamento Pedro Antonio Ribeiro da Silva. Para isso, o clube conta com a ajuda do poder público, já iniciou conversas com as autoridades competentes e fará também ações sociais na comunidade que fica localizada próxima ao CT – confirmou o presidente Pedro Abad