Foto: Lucas Merçon - FFC

De olho no mercado, mas sem agir na base do impulso. Pelo menos esse é o pensamento da diretoria do Fluminense na hora de reforçar o elenco para a disputa da Copa Libertadores da América. Mesmo prevendo um gasto maior com salários e, pelo menos, R$ 5 milhões em contratações, o Fluminense tem esbarrado na concorrência e no pouco espaço de tempo até o início da competição continental.

Ainda assim, o NETFLU apurou que os cartolas tricolores não pretendem fazer qualquer tipo de contratação na base do que estão chamando, internamente, de “desespero”. Isto é, se for para estrear na Libertadores da América com o plantel atual não haverá problemas. Entende-se que é melhor, nos moldes de agora, apostar nos jovens de Xerém do que adquirir alguém apenas para compor o elenco.

Lembrando que o Fluminense tem até o dia 18 de abril para enviar os inscritos para a fase de grupos da Libertadores. Até o momentos, as novidades são o lateral-direito Samuel Xavier e o volante Wellington. Ambos, atualmente, são reservas.

Os principais nomes que são alvos do Fluminense para este primeiro semestre, apesar das dificuldades, são o atacante Wiliam Bigode, do Palmeiras, e o meia Jean Pyerre, do Grêmio. Recentemente, o clube desistiu da contratação de Matheus Babi, do Botafogo e tem poucas chances de fechar com o defensor do Goiás, David Duarte. O atleta mais próximo de ser anunciado é o zagueiro David Braz, do Grêmio, que busca uma rescisão com os gaúchos para poder fechar com o clube das Laranjeiras.