Egídio foi o autor do segundo gol tricolor na partida (Foto: Lucas Merçon - FFC)

A vitória do Fluminense por 2 a 0 sobre o Cerro Porteño, na última terça-feira, no Paraguai, pela ida das oitavas de final da Libertadores, veio com uma boa dose de polêmica. Ainda no primeiro tempo, o árbitro anulou gol de Boselli em lance que o VAR avaliou erradamente. Além disso, o bandeira havia marcado antes da finalização. Egídio comentou sobre os ocorridos e lembrou ter temido até uma compensada.

Depois do erro no primeiro tempo, o Flu abriu vantagem de 2 a 0 no segundo e teve uma bola que pegou no ombro do lateral-esquerdo. Aí, o árbitro argentino Facundo Tello chegou a ser chamado para analisar no VAR se havia sido pênalti.

— No lance eu estava próximo. Achei que estava impedido, não vi o Samuel lá embaixo. E o bandeira, antes deles fazerem o gol, levantou. O juiz apitou antes do gol. Então, o VAR não podia entrar nessa situação. Eu dei uma olhada pro bandeira, assim tipo: “o que você fez?”. Acho que ele ali tinha reparado que tinha dado erro. Acontece com a gente, acontece com eles. Aí de repente achei que podia compensar naquela bola que bateu no meu ombro, aí foi no VAR ver. Mas aconteceu bem tranquilo e o resultado final é o que importa. Temos de descansar para o jogo e definir em casa. Eu fui logo no Arce (no lance do suposto pênalti), que já jogou aqui e entende português, e falei: “foi ombro”. Ele: “foi nada, foi braço” – recordou.

Egídio fez o segundo gol tricolor na partida. O primeiro foi marcado por Nenê.

Pelo erro do VAR na anulação do gol, o Cerro chegou a solicitar à Conmebol a anulação do jogo.