Em nota, presidente da Ferj refaz ameaça de tirar finais do Maracanã

Em nota, presidente da Ferj refaz ameaça de tirar finais do Maracanã

Rubens Lopes aceita contratos de clubes com Maracanã, mas não abre mão do cumprimento das decisões do Arbitral (Foto: Úrsula Nery - Ferj)
Rubens Lopes aceita contratos de clubes com Maracanã, mas não abre mão do cumprimento das decisões do Arbitral (Foto: Úrsula Nery – Ferj)

Segue a guerra de declarações e notas oficiais envolvendo clubes e a Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj). Agora foi a vez de Rubens Lopes, presidente da Ferj, assinar uma declaração no site oficial da entidade no qual refaz a ameaça de tirar do Maracanã as finais do Campeonato Carioca.

Na nota, Rubinho afirma aceitar os contratos da concessionária com o clube, mas admite apenas realizar jogos no Maracanã caso não sejam respeitadas as decisões do Conselho Arbitral.

Veja a íntegra da nova nota oficial:

“A Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro após reunião com Complexo Maracanã, ontem, na sede da Federação, vem a público esclarecer quaisquer possíveis equívocos de interpretação quanto à decisão do Conselho Arbitral, em reunião realizada no dia 17 deste mês, em relação aos jogos do Campeonato Estadual a serem realizados no Maracanã:

1- Contratos firmados entre o Maracanã e qualquer filiado constituem-se em documentos legais cujas obrigações dizem respeito e restringem-se unicamente aos signatários dos mesmos, sem interferência, extensão ou obrigações de terceiros a qualquer dos seus dispositivos;

2- O Maracanã não tem qualquer interferência nas decisões do Conselho Arbitral às quais se obrigam apenas os clubes filiados;

3- Com exceção dos camarotes, a receita proveniente de todos os setores serão computadas para fins de apuração do resultado a ser dividido entre os clubes, na proporção estabelecida pelo Estatuto, na forma dos Regulamentos ou por acordo entre as partes e lançadas no borderô oficial da partida, critério praticado nos jogos do Flamengo;

4- As Despesas Operacionais do Estádio e Aluguel do Estádio serão contabilizadas em borderô, obedecendo o mesmo critério aplicado nas partidas, respectivamente, do Flamengo e do Vasco da Gama: a) despesas operacionais calculadas na base de R$ 10,37 por público pagante, limitado ao máximo de R$ 311.000,00; b) Aluguel de estádio, quando cobrado, será calculado de acordo com percentuais diferenciados aplicados sobre a renda líquida;

5- Condições diversas de receita e ou despesa adotadas unilateralmente por qualquer clube, por força de contratos firmados com o Maracanã, serão suportadas apenas pelos clubes signatários desses compromissos da parte que lhe couber do resultado apurado no borderô oficial;

6- Condições diversas poderão ser adotadas desde que por acordo entre as partes;

7- Qualquer interferência do Maracanã que possa impedir ou prejudicar o cumprimento das decisões do Conselho Arbitral poderá ensejar a não marcação de qualquer partida para esse estádio.

8- Em não havendo contrato ou convênio entre a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro e o Complexo Maracanã que contemple e respeite as decisões do Conselho Arbitral, ora apresentadas, nenhuma das partidas das semifinais e finais do campeonato estadual de profissionais será marcada para o estádio do Maracanã.

Rio de Janeiro, 19 de março de 2015

Rubens Lopes da Costa Filho

Presidente”


Sem comentários