Uma terça diferente para os tricolores. Depois de mais de um ano e meio sem a expectativa de ir ao estádio, devido a pandemia, o tão esperado retorno ao Maracanã está bem próximo. Na quarta-feira, os fãs do Time de Guerreiros vão poder ir ao jogo diante do Fortaleza, pelo Brasileirão, no estádio. Antes, porém têm de encarar uma grande burocracia para garantirem um lugar no “Maior do Mundo”.

Alguns relatos dão conta de espera de mais de três horas nas Laranjeiras para conseguir fazer o exame. Além disso, a chuva atrapalhou a logística no clube, que teve, muitas vezes, de ignorar o distanciamento social para os torcedores fugirem do tempo ruim. O fato de concentrar tudo na sede, sem pontos em áreas periféricas da cidade, contribuiu para o cenário.

Nas Laranjeiras, os funcionários orientavam bastante os sócios e torcedores. O exame aconteceu próximo ao parquinho, debaixo de marquises. A maior reclamação ficou por conta da demora do resultado do exame. Foram entregues códigos de barras e uma senha para poder ter acesso ao resultado no site do laboratório. Só depois que atualizar no “Saúde Check-in” é que o torcedor está apto para buscar o ingresso num dos pontos definidos pelo Fluminense.

Um dos casos foi o do jornalista Felipe Barros, colaborador do NETFLU e proprietário do canal FB TV. Ele é sócio do Fluminense, fez o exame antes de 12h e só recebeu o teste por volta de 19h. Ele contou sobre no Esquenta, pré-jogo do nosso site nesta terça-feira.

Por fim, ainda há a necessidade de imprimir comprovantes, o que gerou críticas em todas as redes. O mesmo método seguirá na próxima rodada com mando do Fluminense, sábado, às 16h30, contra o Atlético-GO. O clube estuda os problemas para diminuí-los conforme a experiência.