Exclusivo: Mário detalha operação da contratação de Cícero

Exclusivo: Mário detalha operação da contratação de Cícero

marioO NETFLU obteve, com exclusividade, trechos da prestação de contas da cúpula do futebol do Fluminense em reunião extraordinária do Conselho Deliberativo realizada na última terça-feira. Mário Bittencourt, vice de futebol, detalhou toda a operação do retorno de Cícero, em 2014, e revela que o jogador ficou um período recebendo um salário inferior ao que ganhava no Santos.

– Ele veio para o Fluminense em 2014 a pedido do patrocinador. Só que naquela época, ele concorria à eleição na Unimed e não poderia aparecer. Então, o patrocinador só iria pagar o salário a partir de janeiro de 2015. Ele ganhava R$ 380 mil  do Santos. Acertou com o patrocinador R$ 500 mil de salário, sendo 350 da Unimed e 150 do Fluminense. Mas os 350 da Unimed ele só poderia receber em janeiro de 15. Ficou só recebendo os 150, muito menos do que 380 do Santos. O que acontece no fim de 2014? O patrocinador vai embora. Não posso contar essa história numa coletiva, tenho que entubar o problema e resolver. Um jogador que ganhava 380, veio para cá pra ganhar 500 e ficou sete meses ganhando 150. Pediu a nós que precisava ir embora daqui, pois estava no prejuízo. Conseguimos o empréstimo por US$ 1,5 milhão ao Al Gharafa para recuperar o dinheiro lá. Com quatro meses, o Al-Gharafa nos devolveu, mas colocou nos cofres do Fluminense US$ 1 milhão. Mas o que interessa dizer é que ele voltou e aumentou a folha – contou Mário.

Ao longo do dia, o NETFLU divulgará mais novidades da reunião ocorrida na  última terça-feira.


Sem comentários