Em situação de abandono, o Maracanã poderá ser utilizado, pelo menos, nas finais do Campeonato Estadual. Essa é a expectativa da Ferj, que procurará o Governo do Estado do Rio de Janeiro buscando uma solução. Gerir o estádio não está nos planos da Federação.

– Mas precisamos nos movimentar. Não podemos deixar um equipamento como o Maracanã assim. É algo provisório, ao menos para as finais. Tentaremos ver uma solução já para as semis e finais da Taça Guanabara. Iremos direto no Governo, que é o real proprietário – explicou Rubens Lopes, presidente da Ferj.

Antes de procurar o Governo do Rio, Rubinho recebeu na manhã desta quarta-feira representantes das três empresas que ainda atuam dentro do Maracanã: Sunset (segurança), Binarios (engenharia) e Greenleaf (gramado).

– Todas as partes estão muito empenhadas. Convidei-os para esse papo para tomar ciência da real situação do estádio. Eles me passaram tudo e estão realmente dispostos a ajudar nessa abertura provisória para as finais. Ninguém vai pagar conta de problemas antigos. Mas queremos ter o mínimo para abrir o local. Espero que todos entendam isso, inclusive o Governo