Fluminense terá protocolo próprio de segurança (Foto: Lucas Merçon - FFC)

Castilho superou nomes como Fred, Assis, Romerito, Telê e outros e acabou eleito em votação promovida pelo jornal O Globo/Extra com a participação de diversos jornalistas como o maior ídolo da história do Fluminense. Escolha essa que muito orgulhou seu filho Carlos Roberto.

— É um motivo de muito orgulho. Meu pai jogou tem tanto tempo, década de 40, 50, 60… É um orgulho para nós que não só a imprensa especializada, mas que os torcedores o consideram o grande ídolo da história do Fluminense. Isso nos enche de orgulho e nos deixa feliz pela escolha. O CT do Fluminense passou a levar o nome dele, tem o busto na entrada das Laranjeiras. Ele foi quem mais jogou com a camisa do Fluminense. É um elo que segue vivo na memória dos torcedores — conta o executivo Carlos Roberto, filho de Castilho. O ex-goleiro faleceu em 1987, aos 59 anos.

Carlos Roberto destaca o amor demonstrado pelo ex-goleiro pelo Fluminense a ponto de ter amputado um pedaço do dedo para poder atuar.

— O momento mais marcante dele pelo Fluminense é o fato de ter optado por amputar o dedo para voltar a jogar mais rápido pelo clube. É uma coisa surreal, que hoje em dia ninguém imagina alguém fazendo isso. Essa decisão dele, drástica, mostrou o quanto ele amava o clube. Os próprios médicos do Fluminense na ocasião não queriam fazer, a família também não. Todos eram contra, mas ele tomou essa decisão. Ele teve que assinar um termo de responsabilidade para isso. Em 15 dias, estava voltando a jogar — completou.

Grande ídolo tricolor, Carlos Castilho dá nome ao CT do clube.