Fluminense e Betano, patrocinadora master do futebol profissional, levaram ao Maracanã neste sábado (23/10), cinco tricolores que já enfrentaram o câncer de mama. Com o mês inteiro abordando o Outubro Rosa, campanha que alerta mulheres sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce da doença, o Fluzão teve a honra de contar com o apoio dessas verdadeiras guerreiras na partida válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Tânia Antunes (62) e Fernanda Pimentel (52), da ONG Marque Esse Gol, aproveitaram para ressaltar a importância dos exames periódicos:

– A mulher precisa se conhecer, fazer exames e buscar ajuda médica ao notar qualquer coisa diferente. Assim aconteceu comigo. Senti dores e logo busquei ajuda, fazendo os procedimentos necessários. Todas precisam estar atentas aos sintomas e não ter medo de fazer o exame – disse Tânia.

– Você sempre pensa no pior quando sabe que tem a doença, mas eu encarei todo o tratamento de maneira positiva. No meu caso, não foi detectado nos primeiros exames e eu insisti. É muito importante saber que existe a cura. Eu costumo dizer que tive câncer, mas o câncer não me teve – explicou Fernanda.

Já Flávia Perdomo (46) e Márcia Furtado (51), do Instituto Casa Viva, falaram sobre a emoção de ver o Flu jogar no Maracanã:

– Em 2019 eu não poderia estar aqui por conta do tratamento e olha que coisa boa me aconteceu depois de tudo isso! Vim ver o Flu. É uma honra. É como ser notada. Saber que o Fluminense valoriza e incentiva esse cuidado é especial. O esporte ajuda a acreditar na vida, a querer estar saudável – vibrou Perdomo, endossada por Márcia.

– Só posso agradecer pela oportunidade linda que o Fluminense nos deu e dizer que essa emoção é indescritível. Um dia você está cheia de desafios e sem saber o que vai acontecer e no outro estou aqui vendo o Tricolor ganhar. Essa campanha é fundamental para que as meninas possa se olhar e se cuidar – disse.

Todas receberam de presente a camisa lançada este mês e que fez muito sucesso entre a torcida. Com edição limitada e renda revertida para a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio á Saúde da Mama (FEMAMA), a armadura foi desenvolvida com a premissa de que cada diamante na estampa representa uma torcedora e que todas juntas são a força e a rede de apoio para que lutem e se previnam contra o câncer.