Fluminense recusou aviões de pequeno porte para não ter de dividir o grupo e, consequentemente, perder treinamento (Foto: Lucas Merçon - FFC)

A mudança do local do jogo contra o Independiente Santa Fe, nesta quarta, de Bogotá para Armenia em virtude do protocolo com medidas restritivas na capital colombiana para conter o avanço da Covid-19 causou complicações para o Fluminense em termos de logística. Informa o canal SporTV que o clube da Colômbia chegou a oferecer ao Tricolor aviões de pequeno porte, bimotores, para levar a delegação ao novo lugar designado para a partida. Opção essa recusada pela diretoria carioca.

O regulamento da Libertadores prevê que o mandante é responsável por solucionar os problemas dos visitantes. A opção foi recusada pelo Fluminense porque nos aviões de pequeno porte a delegação teria de ser dividida em três grupos e impossibilitaria realizar o treino na véspera do jogo.

Fora isso, o Fluminense não poderia ir com o avião que o levou a Colômbia pelo fato da companhia não ter permissão para realizar voos domésticos no país. Desta maneira, a solução encontrada foi fretar um voo de empresa local para levar o grupo na manhã desta quarta pela quantia de US$ 50 mil (cerca de R$ 270 mil).

Tal valor terá de ser reembolsado pelo Independiente Santa Fe.