A parceria inovadora do Fluminense com a SOS Mata Atlântica ganhou novas aliadas. As Guerreiras do Vôlei aderiram à campanha de conscientização sobre a importância da preservação da natureza. Durante toda a Superliga, a equipe terá a logomarca da Fundação em seu uniforme. Desde 2011, o Fluminense é o único clube do país a ter uma diretoria com este fim. Em conversa com as atletas do vôlei, o Diretor de Desenvolvimento Sustentável do Fluminense, Luiz Carlos Rodrigues explicou a importância de seguir em busca de um desenvolvimento sustentável usando o esporte para influenciar jovens e ajudar na recuperação da Mata Atlântica:

– Viemos conversar com o time de vôlei e explicar a importância de um trabalho tão sério. Elas usarão na Superliga a marca da Fundação e isso ajuda a alcançar ainda mais pessoas e divulgar o projeto pioneiro do Fluminense, um clube realmente comprometido em fazer um restauro do bioma fundamental para nós, que é a Mata Atlântica. Precisamos ser mais comprometidos e mais conscientes. Esse time com Guerreiras representa muito bem esta luta – disse.

As realizações não param por aí. Somente em Xerém, já foram plantadas mais de 3.600 mudas nativas da Mata Atlântica. Além disso, todo o resíduo orgânico do Fluminense Football Club não emite gases efeito estufa. Cerca de 5 toneladas de resíduos são recolhidos nas unidades de Laranjeiras e Xerém, sendo transformado em composto orgânico, dando retorno a natureza como reflorestamento. Saiba mais sobre o projeto clicando AQUI. Você também pode clicar neste link e conferir a declaração preparada pelo Presidente Peter Siemsen sobre o compromisso do Tricolor com o Desenvolvimento Sustentável.

A Mata Atlântica
A Mata Atlântica é um dos biomas mais desmatados do Brasil. Uma das áreas mais ricas em biodiversidade do mundo e ameaçados do planeta. Das 633 espécies animais ameaçadas de extinção no Brasil, 383 vivem na área. Acesse o site da SOS Mata Atlântica clicando aqui e saiba mais sobre como você pode fazer a diferença e ajudar.