Próximo à comunidade Cidade de Deus, o Centro de Treinamento do Fluminense foi invadido por bandidos, que fizeram seguranças do clube de reféns. Estes foram torturados pelos marginais na última sexta-feira e algo pior não ocorreu devido à chegada da polícia. O Tricolor pensa em algumas formas de dar segurança ao local, mas apressar o cercamento ou erguer um muro ao redor do terreno, por exemplo, estão descartados. A diretoria pensa em um novo acesso e ações sociais na região.

– Realmente, foi um momento complicado e difícil. É um problema da cidade. Nada impede que alguém invada um prédio na Zona Sul, por exemplo. A meta para 2017 é construir uma rua que passe em frente ao CT e desenvolver ações sociais na região – explica o vice de projetos especiais, Pedro Antonio Ribeiro da Silva.

Atualmente, o acesso ao CT é pela Avenida Arroio Fundo. A entrada é pelos fundos do terreno. Uma nova rua está sendo construída, ela ligará o local à Avenida Ayrton Senna – deve ser batizada de Oscar Cox, nome do fundador do clube. O Tricolor pretende, em conjunto com o Senac, auxiliar na construção de uma escola inacabada na Cidade de Deus. Há um estudo para desenvolver outras ações sociais.

– O importante é entender o entorno. Não adianta se encastelar, com muros, grades e armas. Isso não resolve – completa Pedro Antonio.