(Foto: Divulgação/Ferj)

Trégua com a federação. Botafogo e Fluminense voltam a disputar o Campeonato Carioca em clima bem mais tranquilo do que na edição anterior. Oito meses depois de uma “guerra” nos bastidores com a Ferj, que rendeu até processos nos tribunais, a dupla retorna ao Estadual com divergências praticamente contornadas com a federação e o presidente da entidade, Rubens Lopes. O Flu entra em campo na quinta, no mesmo horário, contra o Resende.

O clima ameno é visível, de acordo com o portal GE. Segundo a publicação, as as três partes já conversam para encerrar a ação que a Ferj moveu contra os clubes, com pedido de R$ 100 mil de danos morais, indenização por danos materiais e exigência de retratação pública. Na época, Botafogo e Fluminense brigavam contra o que classificavam como volta precoce do futebol em meio a um momento crítico da pandemia do novo coronavírus no Rio de Janeiro e no Brasil.

Naquele momento, contrariada, a federação chamou as exigências da dupla de “chilique” e classificou o movimento como cortina de fumaça para disfarçar a “inabilidade em gerir a crise em um clube falido”. Passado o calor do momento, com o fim do torneio e a volta do futebol consolidada, os ânimos acalmaram.

O litígio com o Fluminense na época foi maior, e Rubinho e seus vices moveram individualmente várias queixas-crime contra o presidente tricolor, Mário Bittencourt, por “calúnia, difamação e injúria”. Nos últimos meses, a federação se reaproximou do clube e retirou praticamente todas as ações no âmbito criminal – a única que ainda corre é a do vice-presidente Izamilton Mota Gois.

O diálogo entre Ferj e Fluminense foi retomado antes do início das negociações sobre os direitos de transmissão do Estadual. E Mário participou normalmente da festa de abertura do Carioca na semana passada e posou para foto ao lado de Rubinho e demais presidentes.