Robinho chegou ao Fluminense em 2017 para ser o substituto de Richarlison (Foto: Divulgação)

Fluminense e Robinho estão perto do fim de uma história que não deu liga para ambos os lados. Considerado uma dos destaques do Bashundhara Kings, de Bangladesh, o jogador tem vínculo com os asiáticos até o próximo mês. E não vai permanecer no clube, tampouco retornará para o Tricolor.

Gozando de muito prestígio em Bangladesh, o atleta é até pretendido pelos dirigentes de sua equipe. Entretanto, como o NETFLU já informou, a instituição não tem dinheiro para pagar o valor definido na opção de compra após o empréstimo junto ao Fluminense. O Tricolor, por sua vez, também já comunicou que não pretende renovar com o atacante (contrato também finaliza em outubro).

É importante frisar que os asiáticos têm opção de compra no final do contrato. O valor do empréstimo não foi revelado oficialmente, mas o Tricolor recebeu uma compensação financeira. Inicialmente, o acordado foi que, se tudo for consumado após o período do meia-atacante na Ásia, o Fluminense quitaria o débito milionário (mais de R$ 3,7 milhões) com o Atibaia-SP e ainda rebeberia uma pequena quantia pela venda em definitivo.

Robinho foi contratado ao Atibaia e chegou ao Flu para ser o substituto de Richarlison, vendido ao Watford (ING) em 2017. O valor da negociação, na época, foi de US$ 2 milhões (cerca de R$ 7 milhões na ocasião), causando muitas discussões interna e externamente.

O atacante estava no Figueirense por empréstimo, onde se destacava na ocasião. No Tricolor, nunca conseguiu deslanchar. Disputou 30 jogos e fez quatro gols. Foi emprestado para diversos clubes até chegar ao Bashundhara Kings, de Bangladesh.