Não chega a ser novidade para ninguém o quanto o Fluminense precisa de um patrocinador master. Tendo apenas a Frescato no uniforme, além da Dryworld, que não vem pagando os valores combinados, a cúpula tricolor espera um cenário melhor na próxima temporada. E isso passa pelas duas gigantes chinesas de telecomunicações: a Huawei e a TCL.

A primeira empresa teve um tempo maior de conversação com o Tricolor. Alguns de seus dirigentes chegaram a receber uma camisa personalizada. A segunda, TCL, teve um tempo menor de negociação, mas um resultado mais efetivo, estampando sua marca no peito e nas mangas do Fluminense por dois jogos. Em contato rápido com o portal NETFLU, nesta semana, o presidente tricolor, Peter Siemsen, confirmou que há contato com ambas, em busca de um denominador comum em prol do Time de Guerreiros.

Cabe ressaltar que a Caixa Econômica Federal também pode aparecer como parceira do Tricolor. Tudo depende do conselho da própria estatal, que vai definir ainda se continua – e como continua – com os investimentos no futebol brasileiro, em 2017.