Foto: Lucas Merçon - FFC

Meses sem treinar, expulsão com 15 minutos do primeiro tempo, adversário muito bem montado.

Quem quiser embarcar em qualquer dessas dessas justificativas que fique à vontade.

Eu não.

Em primeiro lugar, o adversário não esteve treinando sem parar nos últimos meses, e em segundo lugar, expulsões acontecem no futebol e não podem ser justificativa para tomar goleada de time pequeno.

O Fluminense foi humilhado por um nanico porque foi o time em campo que não jogou futebol desde o primeiro minuto.

Uma vergonha.

Não dá para poupar ninguém, do goleiro ao montão de atacantes que entraram em campo, mas o principal culpado pelo filme de terror que vimos hoje estava na beira do campo.

Que treinador horroroso é esse Odair. De uma indigência de pensamento que faz o Orinho parecer um pensador grego, um Platão das laterais.

Não vou falar da escalação, porque achei que poderia dar certo se – e somente se – o Fluminense se portasse como um time compacto, com subidas dos laterais e triangulações com Fred, Ganso e Marcos Paulo.

Mas além de ver um bando em campo desde o minuto um, as interferências desse senhor ao longo do jogo foram de revirar o estômago de torcedores que, como eu, já não tinham tão vivas na lembrança as absurdas falhas de cognição do nosso treinador, responsável direto pela eliminação pro Volta Redonda do Chile, pela partida bisonha que nos bota em desvantagem na Copa do Brasil e por essa humilhação de hoje diante do Volta Redonda verdadeiro.

Marcos Paulo era a válvula de escape da equipe e foi sacado no primeiro tempo para a entrada desse Orinho que – na boa – é um arremedo de jogador, seguramente um dos piores jogadores que já vestiram nossa camisa (vocês viram a corrida que ele levou do meia reserva do adversário no segundo tempo na beirada do campo?).

Um treinador de time grande precisa pensar grande, ainda mais perdendo o jogo. Sacar um atacante pra refazer a linha de defesa com 0 X 1 contra uma equipe pequena é de doer.

Recua o Ganso (que partida horrorosa, infelizmente), traz o Marcos Paulo pra compor o meio e tira um dos cabeças de área.

Não é difícil pensar como Fluminense.

Nossa equipe foi sodomizada no meio campo durante os 90 minutos. E o que faz o gênio no intervalo? Abre dois atacantes de velocidade, saca o Fred (que poderia auxiliar no pivô) e deixa o Ganso trotando ao lado do Hudson, que já não prima pela mobilidade.

O Flu voltou com sua linha de defesa com quatro jogadores (tô contando com o Orinho), três atacantes, sendo dois de lado e um meio com Ganso e Hudson… Uma piada.

Os laterais (quero dizer, o Gilberto, porque o outro não é nada) sequer tinham espaço para ultrapassagem porque ele botou dois caras abertos lá na frente.

O Fluminense ficou estático, morto, sem opções a não ser ver os caras brincando de deixar o tempo passar.

E quando todo mundo esperava pra ver o Miguel ele me coloca o Araújo, trocando o Ganso, que vinha a 40 km/h, pelo Uruguaio, que entrou a 50km/h.

O jogo que era para ser jogado com domínio do meio campo, ultrapassagem dos laterais e triangulações na entrada da área virou uma pelada de várzea, com dois malucos tentando o fundo na base do “vamulá”.

Ah, Gustavo, mas e os jogadores? Os jogadores, repito, foram horrorosos, mas nosso time é esse. Meia boca? Muito. Mas o Volta Redonda é o que? O Liverpool? É a Meca do fisiologismo esportivo? Tem dinheiro a dar com o pau?

Era o Volta a Redonda, meus amigos.

A verdade que precisa ser sublinhada é : Odair é horroroso. Agora em caixa alta: HORROROSO.

Repito, Temos um timaço? Negativo. Mas não é essa indigência toda também, não. No futebol brasileiro daria para brigar com honra, lutar com alguma dignidade.

Mas Odair é a eliminação contra o bambala chileno, o calor sofrido pelo pior Figueirense da História e essa humilhação de hoje, numa das mais agudas demonstrações de falta de leitura de um jogo de futebol que eu já vi.

Mesmo com um frangaço, com um Gilberto que errou tudo, com o meio pesado e o ataque morto, não consigo pensar em nada que não seja FORA, ODAIR!

Se o Mario demorar a demitir esse enganador teremos muitos problemas no Brasileiro.

Hoje era o jogo que nos garantiria na final do campeonato. Só isso. Valia para cacete.

Perdemos a partida e nossas chances diminuíram drasticamente.

Sincera e dolorosamente? Talvez seja melhor assim.

Esse treinador é uma piada.

CURTAS

  • Arbitragem uma vergonha. Fluminense será o patinho feio dessa federação venal. Dois pênaltis claríssimos, um em cada tempo.
  • Só distúrbio mental pode ser justificativa para o que fez o Egídio.
  • Uma pena não estar aqui escrevendo sobre o excelente posicionamento institucional do clube em todos os aspectos. Desculpem-me, mas não dá.