Que casa?

CND é Certidão Negativa de Débitos. Um documento expedido pelo governo que informa que determinada empresa ou instituição não possui dívidas. Sem a CND você não pode fazer alguns tipos de negócio. O Fluminense não a tem.

E não a tem há muito tempo. Enquanto éramos obrigados a ouvir do pessoal da Flusócio que o patrocínio da Caixa não era fechado porque não era “interessante”, na verdade  o que faltava era a tal CND. Sem a Caixa – que injetou dinheiro em inúmeros clubes – ficamos na expectativa jamais concretizada de fechar com um máster decente. CND…

Essas três letrinhas voltam ao noticiário tricolor, envolvidas agora num assunto que me parece ainda mais sério que a questão do patrocínio: o controle do Maracanã.

Flusócio prometeu um estádio moderno. Não existe sequer o terreno.

Resta ao Fluminense o Maracanã. A oportunidade até surgiu, mas… mas… a Flusócio, que comanda o clube há quase uma década, não conseguiu a CND.

Na última quarta-feira o conselho do Flamengo aprovou o controle do estádio pelo clube. Nesta quinta irão assinar com o governo.

O Fluminense não poderá fazê-lo, talvez não seja chamado para o ato e, se for, não passará de um mero convidado. Talvez alguém do clube coma uns salgadinhos, converse em algumas rodinhas, mas, protagonista… Isso não.

O que me espanta é a tranquilidade com a qual essa gestão

– Gol do Fred!

Eu dizia que o que me espanta é a tranquilidade com a qual essa gestão expõe o clube ao ridículo. Sim, porque há uma ou duas semanas estava lá o Abad, lentes ambervision nos óculos, camisa social abotoada até o fim, dando entrevista dizendo que o Flu estaria em igualdade de condições com o Fla na gestão do Maracanã.

Reparem na importância disso, meu amigos. Botafogo completamente fora do noticiário e Vasco agonizando, batendo perninha com um presidente nitidamente despreparado. Surge a chance do Flu polarizar com o Fla, dividir a gestão do estádio mais importante do mundo e… Pimba! Não temos CND. Somos devedores contumazes, o menino do controle remoto desplugado aí de cima.  As portas se fecham na nossa cara.

O presidente vascaíno humilha o Fluminense dizendo que o Flamengo procurou o Vasco primeiro, levanta sérias dúvidas sobre o formato do acordo da dupla Fla x Flu e das Laranjeiras apenas o silêncio de sempre.

O conselho do Flamengo

– Gol do Fred.

O conselho do Flamengo discute e aprova o controle sobre o estádio e deixa para discutir a relação com  o Fluminense numa próxima oportunidade, tamanha é a segurança que têm de que pouco ou nada poderemos fazer para frear qualquer protagonismo do Fla com a presença dessa diretoria de amadores que temos e com a ausência da CND.

A imprensa festeja em informar que o Flu estará fora da jogada, colocando-nos como café com leite numa brincadeira que só pode entrar quem não tem o nome sujo na praça.

Até o momento não há registro de qualquer fala do clube no sentido de informar o que de fato está acontecendo. Quais nossos direitos nessa relação com o Maracanã? Conseguida a CND temos alguma garantia contratual de que assinaremos imediatamente com o Estado? No caso de bola dividida com o Flamengo, como se decide o impasse? Há cláusula de arbitragem? Quais as melhorias que os torcedores do Fluminense terão no novo modelo? Qual a expectativa de economia?

Sequer para se posicionar assertivamente sobre as ironias vascaínas e as maledicências da imprensa o Fluminense se fez presente.

O risco que estamos correndo, ou melhor, já experimentando, é o da “coadjuvância”, com o perdão do provável neologismo. Ela é pior do que qualquer derrota para um clube gigante como o nosso.

Hoje estamos sem plano A, B ou C. Entregues ao sabor das condições externas, de terno e gravata com o pires na mão. Na briga flusociana sobre lado direito ou lado esquerdo o meu receio é acabar do lado de fora.

Uma voz mais serena que a minha poderia contribuir com o debate dizendo que podemos investir numa reforma do histórico estádio das Laranjeiras, suficiente para comportar muitos de nossos jogos ao longo das temporadas.

Mas como acreditar num clube que deixa o berço do futebol brasileiro literalmente desintegrar com ferros aparentes, telhados levados pelo vento e rebocos caindo em meio a dezenas de infiltrações? E exatamente no mês no qual Laranjeiras completará 100 anos?

Resta esperar a boa vontade do Flamengo, a imparcialidade do governador, a mudança de postura da imprensa…

Ou seja…

“É só não perder a esperança, vamos deixar para o próximo presidente uma casa muito mais arrumada”, eles dizem nas redes sociais.

Que casa, meus amigos, que casa, cacete? Sobre o que esses lunáticos estão falando?

Vão para o inferno seus incompetentes! Para o inferno!

– Gol do Fred

Abraços Tricolores.

CURTAS

– Jogamos pro gasto depois que o gramado secou. Nada demais, mas o suficiente para eliminar um time nitidamente mais fraco. Destaque quase absoluto para a metida do Allan no segundo gol. Só quem sabe faz aquilo.

– Gostaria de ouvir dos candidatos à presidência do Clube, sem diversionismos e enrolações, o que pretenderão fazer com o Estádio das Laranjeiras. Vão reformar? Vão viabilizar para jogos? De onde virá a grana? Há projeto de fato?

– Esportes Olímpicos? Esportes Olímpicos? Esses caras não podem mais decidir eleições. Também quero ouvir dos candidatos qual o posicionamento sobre o toma la dá cá paroquial que sempre ocorre nas Laranjeiras com esse pessoal que não tá nem aí para o futebol do clube.

– A narração do tal sei la o que Villani no Fla x Flu foi aviltante. Vergonhosa. Há muito tempo não via um negócio daquele. Fui ao Maracanã e assisti ao VT a pedido de amigos. Que porcaria. Perderam totalmente o respeito.

– Acabo de ler no twitter um repórter da ESPN confirmando a saída do Everaldo para o Corinthians. É imperdoável. Sim, sabemos que o jogador foi seduzido por salário bem maior, mas, se não der para tentar manter o atleta (o que duvido), o Fluminense tem a faca e o queijo na mão para fazer um negócio decente. Everaldo vale muito mais do que o valor de seus direitos, os quais o Fluminense tem a prerrogativa de exercer a compra. O Jogador não quer ficar? Então que seja adquirido e repassado pelo seu valor de mercado. Ao que tudo indica o Fluminense deixará de lucrar com ele. Perderemos um ótimo jogador e uma ótima oportunidade de botar alguma grana em caixa. Padrão Flusócio de gestão.

– Peter, você já está na história como o presidente mais nefasto do Fluminense. Não há um – unzinho sequer – torcedor de arquibancada que lhe seja grato e que lhe tenha respeito. Você nos envergonha.