Quem ficar com o Maracanã terá de reformá-lo (Foto: Gabriel Rocha - CBN)

Com o Maracanã em estado de total abandono, o consórcio Maracanã S.A. se apressa para vender a concessão e, para isso, quer a quantia de R$ 60 milhões. Há duas interessadas na compra da gestão do estádio pelos próximos 31 anos: Lagardére e a GL Events. A segunda, inclusive, leva vantagem.

Enquanto a Lagardére deseja avaliar o estádio para descontar eventuais valores com a reforma no preço da compra, a GL não faz a mesma exigência. Assim, fica mais próxima de chegar a um acerto com a Odebrecht.

O Governo do Rio de Janeiro não tem como reassumir a gestão do Maracanã e deve fazer até sexta-feira a avaliação da documentação das concorrentes (para verificar capacidade financeira e outros aspectos). Depois disso, a Odebrecht fica com o poder de decisão nas mãos.

No que diz respeito ao Fluminense, o clube tem acerto com ambos os concorrentes e há um clima de tranquilidade pela manutenção do contrato assinado com a Maracanã S.A.