A partir desta quarta-feira, a Rede Globo vai começar a pagar aos clubes pelo direito de transmissão do pay-per-view (PPV). A empresa já enviou comunicado aos parceiros sobre a realização dos depósitos. No fim de abril, a emissora propôs cortes das parcelas referentes de abril, maio e junho. As agremiações não gostaram e negociaram. Apesar de não cancelar a diminuição, conseguiu a garantia de que haveria o começo do pagamento das cotas a partir de 1º de julho, independentemente da data estipulada para o início da competição.

São 17 os clubes com contrato com a Globo. Dos 20 participantes da Série A, Athletico-PR, Coritiba e Red Bull Bragantino são as exceções.

Se nas TVs aberta e fechada 40% de um total de R$ 1,1 bilhão é repartida igualmente entre os participantes, o PPV é distribuído na base do número de torcedores de cada clube que assinem o pacote.

Diferentemente dos contratos assinados para TVs aberta e fechada, que preveem uma parte (40% de um total de R$ 1,1 bilhão) repartida igualmente entre todos os participantes, o PPV é distribuído com base no número de torcedores de cada clube que assinam o pacote.

Para 2020, esperava-se um valor total distribuído de R$ 700 milhões, R$ 150 mi a mais do pago em 2019, mas a Covid-19, que derrubou as assinaturas do Premiere, o canal da Globo para exibir os jogos por meio do PPV, deve fazer com que a quantia final para a temporada fique abaixo do projetado.