No ano de 1970, o Fluminense conquistava pela primeira vez o Campeonato Brasileiro, chamado de Taça de Prata naquela época. A decisão do título foi um quadrangular que tinha ainda Palmeiras, Cruzeiro e Atlético-MG, e o Tricolor deixou todos para trás para conquistar a taça. Na primeira partida, 1 a 0 no Palmeiras, com gol de Mickey.

No segundo jogo, Mickey decidiu outra vez na vitória pelo mesmo placar sobre o Cruzeiro de Tostão, no Mineirão. Na última rodada, o Flu jogava pelo empate contra o Atlético-MG e o 1 a 1 bastou para que o Tricolor erguesse o troféu. Gol de quem? Mickey. Em entrevista, o ex-jogador relembrou os gols e o gesto imortalizado de “paz e amor” na comemoração.

– Nós queríamos mostrar que o grupo estava unido naquela ocasião. E na reta final decidimos nós jogadores que quem fizesse o gol faria esse gesto. Poderia ter sido o Lula, Cafuringa ou Samarone, mas quis o destino que fosse eu – relembrou o herói tricolor nas três partidas.

Ao relembrar do gesto, Mickey aproveitou para pedir para as torcidas do Brasil paz nos estádios. Segundo ele, futebol e briga não combinam e devemos respeitar uns aos outros, bem como a camisa que cada um escolhe torcer.

– Peço às torcidas do país que o futebol seja alegria, um esporte, não motivo de brigas e mortes. O mundo precisa de muita paz. Nós estamos vivendo essa loucura da ganância incontrolável, do rancor, do ódio, que não levam a nada – afirmou ele.