Hudson não atua desde maio do ano passado (Foto: Lucas Merçon/FFC)

Perto de se despedir do Fluminense, Hudson contou que sofreu a lesão mais complicada de sua carreira. O volante rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho direito em maio do ano passado, na ida da semifinal do Campeonato Carioca contra a Portuguesa, passou por cirurgia e não atua desde então. Ele comentou a complexidade do problema.

– Foi, com certeza. É uma coisa que todo jogador teme, mas você só tem noção mesmo quando você sofre a lesão. Nosso médico, inclusive, o Dr. Ricardo, sofreu essa mesma lesão e está tratando lá agora, tem um mês. Ele virou para mim e disse: “Hudson, eu já operei 50 joelhos na minha vida, mas é a primeira vez que estou tendo noção de como é essa recuperação”. Então, realmente é uma lesão séria, que demanda tempo. O enxerto demora a se firmar, se estruturar, e você tem que fazer um trabalho diário de muita perseverança e força. Porque para você notar um resultado demora 10, 15 dias – disse, complementando:

– Tem que ter bastante resiliência, graças a Deus sem nenhuma intercorrência, como foi no meu caso. Porque costuma ter inflamação, às vezes o cara rompe o menisco depois… Graças a Deus não tive nenhum problema maior, mas foi um momento de superação. É aquilo, sempre te deixa mais forte de um jeito ou de outro. Deixa o mental mais forte e faz você valorizar ainda mais as coisas.



Hudson defendeu o Fluminense de 2020 a 2021. No período, fez 48 jogos e um gol.