(Foto: Lucas Merçon - FFC)

O Sindicato dos Atletas de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Saferj) iniciou na última semana um movimento para unir os jogadores contra o novo repasse dos direitos de arena estipulado na Medida Provisória 984/2020, denominada “MP do Futebol”. O grupo do Fluminense aderiu à manifestação que gerou um abaixo-assinado com mais de 140 assinaturas. O objetivo é conseguir a revisão de trecho do MP que dá aos mandantes o repasse do dinheiro do direito de arena das transmissões e não mais aos sindicatos, como era desde a criação da Lei Pelé, há 20 anos.

Para a Saferj, o problema é que no novo formato os clubes não paguem o valor aos jogadores.

— O problema não é tirar do Sindicato, o problema é pagar ao clube. Da mesma forma que era nos anos 90, onde tudo começou. Sabe o que vai acontecer? O clube vai receber o direito de arena e não vai pagar. E com tantos atrasos de salários, esse é o dinheiro mais certo que o atleta tem ao longo do ano – acredita Alfredo Sampaio, presidente do Sindicato dos Atletas.


Na última quarta, a Saferj enviou a Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, ofício assinado por Alfredo Sampaio explicando os prejuízos dessa forma de repasse. Para a MP virar lei, ainda tem de ser votada na Câmara.

Além dos jogadores do Fluminense, os demais participantes do Campeonato Carioca assinaram ao documento. A exceção foi o Flamengo, onde ninguém assinou.

Veja as assinaturas dos jogadores do Fluminense no documento:

Foto: Divulgação