Ciel fez apenas sete jogos e nenhum gol pelo Fluminense (Foto: Ricardo Ayres - Photocamera)

Aos 39 anos e com 18 clubes diferentes no currículo, Ciel é o principal goleador do futebol brasileiro em 2021. No Sampaio Corrêa, onde disputa a Série B, já tem 26 gols em 34 jogos na temporada. Mas ele passou pelo Fluminense em 2008, quando ainda tinha 26 anos, e não foi bem. O atacante reconhece que o alcoolismo pesou negativamente em sua passagem no Tricolor.

— Foi o Cuca quem pediu minha contratação pelo que eu fazia dentro de campo, mas a minha cabeça não estava preparada para a fama, o Rio. Eu tinha altos e baixos pelo alcoolismo. Até agradeço o carinho do Branco (então, coordenador de futebol do Fluminense). Ele me levou na sala dele e disse: “Teu potencial é brincadeira. Se você jogar como jogou no Ceará, tu vai pegar seleção”. Ele me dava conselhos, mas eu não estava preparado – reconhece.

Ciel teve seu contrato rescindido como Fluminense após apenas seis meses, sete jogos e nenhum gol.

— Eu bebia demais. As pessoas falavam que era uma doença e eu não acreditava. Eu passava dois, três dias bebendo. Eram muitas mulheres também, muita traição. No Ceará eu não bebia tanto assim. Quando eu cheguei no Fluminense, vi o Rio e vi muita mulher, festa toda hora, aí eu deixei essas coisas me levarem – falou.

Quando foi contratado pelo Fluminense, Ciel já havia sido afastado quatro vezes no Ceará, seu ex-clube, por conta da bebida. Porém, a fama de artilheiro e o histórico de boas atuações pesaram mais. A passagem, no entanto, não foi bem sucedida.