Maior grupo político do Flu detona o elenco e Peter Siemsen

Maior grupo político do Flu detona o elenco e Peter Siemsen

(Foto: Paulo Brito/NETFLU)
(Foto: Paulo Brito/NETFLU)

Um elenco envelhecido e aparentemente desmotivado, um técnico que não prima pela organização tática, a crônica falta de zagueiros e lateral esquerdo (desde a saída do Monzon estamos sofrendo com isso), e ainda todo o problema fora de campo herdado de 2013. Se nada mudar de verdade, tudo indica que pode ser um ano terrível pela frente.Grupo que ajudou o presidente Peter Siensem a conseguir dois mandatos consecutivos no Fluminense, a Flusócio parece não mais apoiar, como antes, o mandatário. Em posts publicados nesta sexta-feira, um dia depois da vexatória derrota para o Horizonte-CE, no estádio Domingão, por 3 a 1, o grupo político fez duras críticas ao homem forte do Fluminense.

– Depois de um primeiro mandato promissor, que deu esperanças a todos de que o Fluminense estava realmente sendo pensado em curto, médio e longo prazos, a atual gestão parece ter se perdido em meio a problemas. Em vez de manter a pegada que nos trouxe a reforma de Xerém, a criação do Sócio Futebol, o bom acordo com o Maracanã e o foco no cumprimento de contratos e preocupação com as dívidas, o segundo mandato parece ter sucumbido ao um modelo frouxo, leniente, que acaba se refletindo no time e no engajamento da torcida – diz um dos trechos da postagem intitulada “Vada a bordo!”.

A críticas não pararam por aí. O elenco tricolor, que tem uma das folhas salariais mais caras do país, também foi alvo do grupo. Segundo a Flusócio, faltam muitas peças para que o Time de Guerreiros não repita os insucessos da temporada passada.

– Um elenco envelhecido e aparentemente desmotivado, um técnico que não prima pela organização tática, a crônica falta de zagueiros e lateral esquerdo (desde a saída do Monzon estamos sofrendo com isso), e ainda todo o problema fora de campo herdado de 2013. Se nada mudar de verdade, tudo indica que pode ser um ano terrível pela frente.- conclui um trecho do post intitulado “vergonha e sinal vermelho”.

Para acompanhar os posts na íntegra, clique aqui.


Sem comentários