(Foto: Mailson Santana - FFC)

Novamente o voto online para 2020 foi assunto em uma coletiva do presidente do Fluminense. Mário Bittencourt, a rigor, não trouxe novidades. Destacou que a implementação depende de uma questão estatutária, lembrou que o Tricolor é o único clube carioca em que o sócio-torcedor vota e não adiantou que haverá ou não a votação remota na próxima eleição, em novembro do ano que vem.

Está no nosso plano de gestão que desejávamos e desejamos o voto online para questão eleitoral, mas para outras coisas, como desenho do ônibus. Para o ano que vem, possivelmente, a quarta camisa. Queremos que o torcedor participe da vida do clube. A gente depende de uma interpretação do estatuto e não de uma alteração em relação a isso. O Fluminense é o clube mais democrático do Rio de Janeiro. É o único do clube do Rio de Janeiro que há duas eleições o sócio torcedor pode votar. Que não se confundam as coisas, porque as pessoas deturpam o que falamos. O sócio torcedor do Fluminense é o único do RJ que tem o direito de votar e um dos poucos de votar no Brasil. Eu perdi uma eleição em 2016 já com o voto do sócio torcedor e venci em 2019 com o voto do sócio torcedor. Vasco, Botafogo e Flamengo só votam os sócios das sociais, não os torcedores. Desde 2010, a eleição do Fluminense é fiscalizada e gerida pelo Ministério Público do RJ com urnas eletrônicas do TRE, que fiscaliza e participa da eleição. O pedido as urnas do TRE foi feito pela nossa chapa em 2016. Até 2016 não havia urna eletrônica – comentou Mário, que seguiu:

– A eleição foi limpa. Eu estou fazendo essa fala porque a única coisa que não podemos pra 2022 é transformar e eleição do Fluminense no que acontece em outro clubes com o Vasco. O Vasco vem numa derrocada enorme porque há 10 o 15 anos em uma briga desleal, insana política que destruiu o clube. O Fluminense não tem isso. O Fluminense está de pé porque em 2016, mesmo perdendo, fizemos a boa política. Em nenhum momento fomos detratores das pessoas, fizemos fake news. E mesmo depois que perdemos não criamos blogs fakes pra atacar a instituição para pura e simplesmente derrubar o presidente que nos ganhou com lisura. Discordamos, fomos críticos. A bandeira do voto online é nossa e estamos trabalhando para realizar. Ainda em 2019 contatamos empresa para implementar tecnicamente, desde que tomemos cuidados com questões de fraude e lisura. Criamos uma comissão interna para que possamos entregar para o presidente do conselho para que não gere judicialização.

A coletiva segue e após, o NETFLU fará um react com Leandro Dias e Rafael Siri no nosso canal no youtube: