Foto: FFC

Candidato à presidência do Fluminense, Mário Bittencourt não é mais advogado do clube. Nesta segunda-feira, por exemplo, a defesa de Peter Siemsen, Levir Culpi, Cícero e Marquinho, no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) foi feita por um outro profissional contratado pelo Tricolor. Ambas as partes deram suas versões para o fim do compromisso de trabalho.

Mário Bittencourt divulgou nota informando que, um dia antes do lançamento de sua candidatura, notificou ao clube que abriria mão do contrato vigente e seguiria trabalhando gratuitamente, mas isso foi rechaçado pela direção.

Veja a nota divulgada pelo advogado:

“Após defender o Fluminense nos tribunais por mais de 10 anos, o escritório de Mário Bittencourt não representou o clube no julgamento do STJD na manhã desta segunda-feira (10.10). Candidato à presidência do Tricolor para o próximo triênio, ao lado de Ricardo Tenório, o advogado notificou o clube na última segunda-feira (03.10), abrindo mão do contrato que tinha com o clube, inclusive, de receber os 30 dias obrigatórios de aviso prévio.

Na notificação extrajudicial, entregue ao clube um dia antes de lançar sua candidatura, Mário Bittencourt – assim como os mais de dez profissionais de seu escritório que atendem ao Fluminense – se dispôs a atuar pró-Bono (sem remuneração) até o fim do ano, para que a instituição não ficasse desassistida. No entanto, somente na manhã desta segunda, após a realização do julgamento, recebeu a contranotificação do clube, abrindo mão de seus serviços a partir do dia 3 de novembro.

O escritório de Mário Bittencourt só não atuou no julgamento desta segunda porque foi comunicado, via e-mail, que não participaria. “Antes de lançar oficialmente nossa chapa para concorrer à presidência do Fluminense, notifiquei o clube para encerrar o contrato com o meu escritório. Tenho um contrato de prestador de serviço com o clube, mas como concorro à presidência, achamos que esta seria a atitude mais correta, mais transparente. Defender o Fluminense é o mais importante e, por isso, me coloquei à disposição para continuar prestando serviço sem remuneração até o final da gestão. Independentemente do processo eleitoral, precisamos preservar a instituição acima de tudo. Recebi resposta oficial da diretoria hoje, dia 10, na hora do almoço, comunicando que ficaremos apenas por mais 30 dias, cumprindo o aviso prévio do contrato e repassando todas as causas para os novos profissionais. Apenas fui comunicado que meu escritório não seria o responsável por defender o clube no julgamento desta segunda-feira. Fico feliz que todos tenham sido absolvidos e possamos estar fortes para o confronto do dia 13 contra o Flamengo. Continuo à disposição para representar o clube nos julgamentos, caso seja essa a decisão da diretoria nesse período de 30 dias”, disse Mário Bittencourt, explicando que, caso vença a eleição, o Fluminense contratará outros escritórios para representar o clube.”

Pelo lado do Fluminense, a informação divulgada foi de que não seria interessante misturar interesses:

– O presidente preferiu não misturar política com a questão técnica de defesa. Como o ex-advogado optou por se candidatar à presidência do Fluminense, o clube preferiu deixar fora a questão política da defesa.