Muricy Ramalho levou o Fluminense ao título brasileiro em 2010, mas saiu de maneira conturbada em 2011 (Foto: Photocamera)
Muricy Ramalho levou o Fluminense ao título brasileiro em 2010, mas saiu de maneira conturbada em 2011 (Foto: Photocamera)

De ídolo à persona non grata, Muricy Ramalho viveu no Fluminense entre 2010 e 2011 os dois lados da moeda. O técnico levou o Tricolor ao título brasileiro no ano de sua chegada e, na temporada seguinte, pediu demissão saindo de maneira conturbada reclamando da estrutura do clube. Agora, dizendo ainda ter carinho pelo Flu, o técnico do São Paulo se mostra chateado pelas críticas feitas por jogadores.

O treinador, inclusive, lembra que a sua saída do Fluminense se deveu justamente à vontade de querer evoluir com o clube, algo que não via na época.

– Eu vi e fiquei triste (com a declaração do Fred). É um time, claro que as pessoas não concordaram naquele momento que eu saí e falei, que tenho um carinho enorme. O cara que é tricolor mesmo sabe o trabalho que desenvolvi lá. Ganhamos um Brasileiro que era muito importante para eles. Mas eu sou assim: quero melhorar as coisas. Até falei lá para melhorarmos o nosso vestiário e melhoramos. O ser humano tem de querer melhorar. Eles me ajudaram muito, fiquei parceiro de todos eles. Eu tenho uma amizade até hoje lá. Quando vou lá, porteiros, funcionários fazem uma festa comigo. O ambiente era muito bom, independentemente de campo. O Celso Barros é um cara fantástico, parceiro e sempre me dei muito bem com ele e com o Horcades – recorda.


Sem comentários