(Foto: Mailson Santana - FFC)

Em entrevista logo após a vitória do Fluminense sobre o Santos, por 1 a 0, nessa última quinta-feira, no Maracanã, o técnico Roger Machado voltou a esbravejar com relação ao calendário apertado do futebol brasileiro, que tem obrigado os clubes a enfrentarem maratonas de jogos aos fins e meios de semana.

Além disso, o Brasileirão não irá parar para a disputa da Copa América e das Olimpíadas, o que fará com que algumas equipes atuem desfalcadas de seus principais atletas. O Tricolor, por exemplo, não terá o zagueiro Nino.

– É um paradoxo e uma inversão de valores. Se questiona a convocação do treinador da seleção que convoca muitos jogadores de um clube. Ou se questiona o treinador que tem que trocar jogadores oxigenando a equipe de um jogo para outro por causa do calendário. Essa crítica não tem que ser direcionada a nós, treinadores, tem que ser direcionada a quem organiza um calendário desse. O treinador tem que, se possível, colocar os melhores e mais descansados em campo, e convocar os melhores. Não é culpa do treinador, que um calendário que não para nas datas-Fifa, que hoje coloca na conta do momento que estamos vivendo. Esse calendário já é assim há muito tempo. O calendário brasileiro para ficar ruim tem que melhorar muito. Sempre digo e repito: o futebol brasileiro vai evoluir na esteira de um campeonato bem organizado. Tudo vai melhorar. Porque patrocinadores vão se aproximar do jogo. Fico imaginando uma grande empresa de futebol do mundo comprando o futebol brasileiro para transmitir e na véspera troca o jogo na grade. Ela deve ficar muito feliz com relação a isso – pontuou Roger.