1Leandro Dias

Sem forçar muito, o Fluminense venceu o Boavista por 3 a 0,  neste domingo, em Los Larios. O Tricolor resolveu a parada em 12 minutos. Osvaldo e Luiz Alberto (contra) marcaram no primeiro tempo. Cícero, aos 39 da etapa final, marcou seu gol de número 150 da carreira e deu números finais ao embate, totalmente controlado pelo time dirigido por Levir Culpi, cada vez mais competitivo. O resultado pôs o Flu na terceira colocação da Taça Guanabara, atrás de Volta Redonda e Vasco.

O jogo começou a 200 por hora. Já com um minuto, o Boavista chegou em finalização de Leandrão. Em seguida, foi a vez do Flu, através de cabeçada de Osvaldo. Envolvente, o time de Levir Culpi não tardou a abrir o placar. Gerson, em sua real posição, como um clássico armador, deu passe primoroso para Osvaldo. Rápido,  o atacante  ficou a cara a cara com o gol chutou mal, fraco, mas o arqueiro aceitou: 1 a 0, aos seis minutos. E só dava Osvaldo!


Pegando confiança, o camisa 17 ainda arriscou um voleio em cruzamento de Jonathan. Estava tão bonito de ver que até Fred se arriscou de meia de ligação. Recuou e lançou Osvaldo na boa para marcar. A conclusão do atacante passou perto.

Mas quem resolveu nos ajudar foi Luiz Alberto. Sim, aquele! Aos 12 minutos, Wellington Silva cruzou e o veterano zagueiro, campeão da Copa do Brasil, sozinho, sem ninguém para atrapalhar, jogou contra o patrimônio. A torcida agradece!

Com dois gols de vantagem no placar, o Fluminense resolveu esperar o Boavista em seu campo defensivo. O time de Saquarema teve a bola, mas não ameaçou Diego Cavalieri. O  Tricolor, por sua vez, explorava pouco os contra-ataques. Num dos raros, quase fez o terceiro, em cabeçada de Gustavo Scarpa, mas aquele ritmo alucinante nos minutos finais já não existia.

No segundo tempo, o Flu diminuiu muito o ritmo. Cadenciado e sem Osvaldo, substituído no fim da etapa inicial com dores no quadril, o time não tinha mais aquele ímpeto ofensivo. Na defesa, ainda deu espaços. O Boavista se aproveitou, obrigando Diego Cavalieri a trabalhar. Carimbaram até a trave.

Mas aos poucos, o time verde, grená e branco controlou as ações e não mais foi incomodado. Chegou ao terceiro gol com Cícero, em bela troca de passes, o tento de número 150 da carreira do jogador, que completou 150 partidas pelo Fluminense. O quarto gol ainda sairia, com Gustavo Scarpa, mas, acertadamente, foi invalidado, pois o meia estava em posição de impedimento.

Vitória sem sustos, de um time que ganha corpo a cada enfrentamento, aumentando a invencibilidade para sete jogos, cinco sob o comando de Levir Culpi.

O Fluminense jogou com: Diego Cavalieri; Jonathan, Gum, Henrique e Wellington Silva; Pierre, Cícero, Gustavo Scarpa e Gerson (Douglas); Osvaldo (Marcos Júnior) e Fred (Magno Alves).


Sem comentários