Eduardo Simões mostra a paixão pelo Fluminense mesmo quando está no ar (Foto: Divulgação - FFC)

Eduardo Simões, de 53 anos, se diz “tricolor desde a outra encarnação” e demonstra seu amor pelo Fluminense mesmo quando está no ar. Em janeiro, o piloto de avião fez sucesso entre os torcedores ao dar uma aula sobre o clube do coração enquanto sobrevoava o Rio de Janeiro. Na segunda-feira, recebeu de colegas de trabalho uma camisa oficial autografada por Fred.

— Fiquei realmente emocionado. A camisa vai para uma moldura – contou.

Logo depois da morte de seu pai, José Bedran, de quem herdou a paixão pelo Tricolor, a companhia aérea da qual é funcionário transportou o Time de Guerreiros de Porto Alegre para o Rio, no início de novembro. Com o elenco comandado por Marcão a bordo, uma pessoa em especial veio à lembrança da tripulação encarregada da viagem.

O luto do torcedor, mencionado pelos tripulantes, emocionou o capitão. A pedido da equipe de voo, o ídolo deixou de recordação para o fã um uniforme com a sua marca. De surpresa, a camisa chegou às mãos do comandante no dia seguinte ao triunfo por 2 a 0 sobre o América-MG.

— Recebi a camisa das mãos do piloto que transportava o Flu na ocasião. Ele chegou hoje para voarmos juntos, me deu um abraço pelo falecimento de meu querido pai e, em seguida, entregou a camisa. Foi inesquecível. Apesar do mundo corrido em que vivemos, meus colegas pensaram em mim na hora. Fiquei lisonjeado. Já chorei várias vezes – contou.

Da arquibancada, Simões celebrou, no último domingo, o primeiro gol de Fred diante do público no Maracanã desde a sua volta às Laranjeiras.

— É o Rio de Janeiro voltando ao normal, em um dia de sol, amigos e gol do Fred pelo Fluminense no Maracanã. Sensacional. Foi o que mais me fez falta durante a pandemia. Sou viciado no Flu. Ainda conseguiremos a vaga para a Libertadores – aposta.