Fluminense conquistou o Brasileirão de 2020 feminino sub-18 nos pênaltis (Foto: Adriano Fontes - Divulgação)

O Pleno do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) julgou nesta quinta-feira os recursos de Fluminense e Internacional sobre a decisão do Campeonato Brasileiro feminino sub-18, vencida pelo Flu. Ambos os clubes haviam sido apenados com perda de pontos por escalações de atletas irregulares na volta da final. O veredicto da primeira instância foi mantido e, consequentemente, o título tricolor.

Na ocasião, o Fluminense perdeu a partida de volta da final por 4 a 1 no tempo normal, no dia 20 de março, no Beira-Rio, mas conquistou o título nos pênaltis. Após o jogo, o STJD recebeu uma comunicação de irregularidade de uma atleta de cada equipe.

Em virtude disso, o Flu perdeu três pontos. O Inter perdeu seis. Ambos ainda terão de pagar uma multa de R$ 25 mil.

O Comunicado de Irregularidade de Jogador (CIJ) emitido pela Diretoria de Competições da CBF informou que o Fluminense escalou a atleta Kailane Cruz Freitas dos Santos irregularmente uma vez que a atleta participou da partida quando deveria estar cumprindo suspensão pelo terceiro cartão amarelo. A atleta recebeu cartão amarelo nas partidas contra o São Paulo (09/02), Santos (06/03) e contra o Internacional na primeira partida da final (13/03).

Coincidentemente o Internacional também teve Comunicado de Irregularidade de Jogador ao relacionar a atleta Mariana Zenalia Steiak sem condição de jogo. O REC (Regulamento Específico da Competição) prevê no artigo 4º o limite de 23 atletas inscritas. Mariana participou da partida contra o Fluminense na posição de 24ª atleta inscrita.